Degrassi: Next Class

sábado, 19 de agosto de 2017

Vamos falar de mais uma série aqui no blog? =D
Hoje será sobre Degrassi: Next Class. Assisti porque vi indicação dela no facebook. É uma série exclusiva da Netflix. Mais uma das partes de uma série canadense super consagrada: Degrassi.
Toda a história se passa numa escola comunitária do ensino médio.
Isso, para muitos, seria motivo suficiente para não assistir a série. "É só uma série adolescente. Deve ser boba, horrível".
Por favor, não menospreze algo só porque ele é voltado para um público mais jovem. Degrassi tem muitos temas importantes sendo abordados dentro de seus episódios. E nenhum dele acaba ficando "forçado". Temos homossexualidade, transsexualidade, doença crônica, depressão, suicídio (só tentativa), feminismo, aborto, imigrantes, a pressão da faculdade e até da própria série.
Lendo isso, até parece que a série é pesada. Mas Degrassi retrata tudo de maneira até bem didática, o que deixa a série bem leve, mas em alguns momentos fica sim pesado, porque né.
Temos personagens negros, asiáticos, árabes e claro, os caucasianos, canadenses. Cada personagem desta série tem seu momento de foco e sua história contada, a gente entende o que se passa com eles, o que eles sentem e fazem. A gente vive com eles na escola praticamente!
São quatro temporadas no total. Episódios curtos, de apenas meia hora. A série é tão boa que passa até rápido, mas é maravilhosa de assistir.
Minha temporada favorita foi a terceira, de verdade. E a virada da segunda para a terceira foi da bem safada, ainda bem que não esperei muito para que saísse a temporada. haha
Se me perguntarem quais meus personagens preferidos: Yael, Lola, Tristan.
É um série que recomendo e muito. Adolescente sim, mas não menos importante em sua abordagem de temáticas.
Não há previsão de mais temporadas, mas com essas quatro já existentes, um ciclo de personagens fechou e maravilhosamente bem.
Então, quem estiver com vontade de ver um série rápida, Degrassi é um boa pedida.

Bendita Comparação

terça-feira, 15 de agosto de 2017
Tem gente que adora nos comparar com os outros, em qualquer assunto que seja. Parece que vivemos uma competição! Eterna competição!
Começa desde que nascemos e somos pequenos. Quem anda primeiro, quem fala primeiro.
Na briga pelas melhores notas da escola.
Não tem como os outros não te compararem com alguém no mesmo aspecto.
Quem está namorado, quem vai casar, quem vai ter filho. E olha só como você não conseguiu nada disso!
Ainda mais na família, quando comparam uns primos com os outros. Quem está na melhor faculdade, que está com o melhor emprego e quem está nadando em dinheiro.
Só consigo pensar nisso quando se trata de ser escritora.
Mas você não pode fazer tal coisa assim, porque a autora tal fez de outro jeito.
Mas você você não pode fazer isso, autor não se sujeita a isso. Disseram isso a mim quando viram meus cosplays, dos meus próprios personagens. Porque a JK Rowling não faria isso.
As pessoas tem que entender que não somos iguais uns aos outros. Cada um faz as coisas do seu jeito, no seu próprio ritmo.
São diferentes, não tem como comparar. Não precisa comparar! Não há porquê comparar! Isso só gera uma cobrança por nada, por querer ser melhor pelo simples fato de ser melhor.
Então, por favor, parem com essa mania de comparar as pessoas. Todos agradecem!

Top 5 #30: Músicas tema Animelo Summer Live

sábado, 12 de agosto de 2017

Música #01: Minori Chihara

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Olá, pessoal! E sejam bem-vindos, oficialmente, a primeira postagem sobre música com este novo formato. Se quiser saber do que estou falando: Música #00 - Apresentação e Explicação.
E por que não ela? Dona da minha vida toda, minha diva suprema do universo (sagitariana exagerada): Minori Chihara.
Minorin (apelido) nasceu em 18 de Novembro de 1980 no Japão. Ela é cantora e dubladora. Uma pessoas tímida e muito ligada a família.
Começou sua carreira no ano de 2004, com o álbum Heroine e também dublando Aya Natsume de Tenjou Tenge.
Porém, só a conheci em 2007, como a Yuki Nagato de Suzumiya Haruhi no Yuutsu. Musicalmente, também neste ano, ouvindo as chara songs do mesmo anime. Como cantora solo, foi em 2008, com o single Paradise Lost e na sequência com o álbum Parade.
E daí por diante nunca mais parei de ouvir as músicas dela. Elas sempre passaram a fazer parte dos meus dias e da minha vida. São infinitos os momentos de inspiração que ela me dá.
A Minorin tem um estilo pop, algumas misturas de rock. Acredito que o estilo dela é único.
Maioria de suas música, de singles pelo menos, são voltadas para os animes, como é com a maioria dos seiyuus (dubladores).
É complicado indicar músicas dela para vocês. Mas, vou mostrar algumas das minhas favoritas.
A começar pela primeira que ouvi: Paradise Lost.

Kimi Ga Kureta Anohi é um dos primeiros singles e que é uma das músicas mais cantadas em lives, como Junpaku Sanctuary, que está ai em baixo também.



E como eu sempre digo pela internet afora, Parade é o álbum favorito dela, talvez até o da vida. Então, lembro de todas as músicas dele com muito carinho e ouço o álbum como se fosse a primeira vez sempre. Uma das músicas dele é o Voyager Train.

Um dos pontos altos da carreira dela foi quando ela pegou #3 no Rank da Oricon, que é o maior ranking de vendas do Japão, com o álbum D-Formation, em 2012.

Mas, sendo sincera, as músicas que mais gosto são especialmente as que tiveram as letras escritas pela própria Minorin. Koi e Ittousei são exemplos vivos disso!
Minori Chihara é minha cantora favorita, como já disse anteriormente.
E ao observar mais atentamente, se percebe que tudo o que ela faz é por amor. Ela realmente gosta de cantar e dublar.
É maravilhoso ouvi-la cantando e dublando. Minorin, rainha!
Enfim, primeiro post de música concluído. Espero que tenham gostado de conhecer um pouco mais do Minori Chihara.
Até a próxima!

Kyon #26: As pessoas se importam?

sábado, 5 de agosto de 2017
Olá. pessoal! Kyon aqui novamente.
Como vão? Espero que bem!
Dessa vez, compartilharei mais um pensamento que tive nessas últimas semanas e foi algo tão forte que senti a real necessidade.
Eu me pego, em minhas longas observações, se realmente a maioria das pessoas se importam de verdade com a gente.
Não quero dizer gente da família. Pelo menos não do lado mais próximo. Esses sim se importam com você, por conta de muito fatores, a proximidade e afinidade são alguns deles.
Refiro-me a pessoas de ciclos sociais mais distantes.
Sempre percebo isso quando, por exemplo, nas redes sociais. Especialmente: Anelise.
Engraçado perceber as pessoas a parabenizando pelo livro publicado e coisa e tal, mas realmente quantos foram mesmo e compraram?
E não foi só no caso de As Aventuras de Jimmy Wayn - O Menino Virgem, foi também com as antologias dos anos anteriores. Tanto que na última ela simplesmente resolveu não comprar para revender. Está com livros destas antologias parados até hoje por aqui.
E por isso, ao observá-la, noto que algumas coisas as pessoas apenas falam da boca para fora. Apenas fingem se importar, se mostrar felizes por você. Quando, na verdade, elas querem mais é que você se dane. Para não dizer algo mais baixo!
E daí que você cortou a franja de novo? E daí que você publicou conto novo? E daí que você fez Moda Personagem? E daí "insira algo aqui"?
Eu não quero saber, não me interessa.
Não que seja querendo alguma espécie de aprovação ou só alguma atenção da pessoas. Mas, é uma ironia perceber que justamente estas publicações específicas serem as mais curtidas. (Quem sabe só não seja o próprio algoritmo do facebook.) E mesmo assim é muito difícil divulgar um livro.
A questão é que, de verdade, as pessoas realmente não se importam com o que você conseguiu ou qualquer coisa que você estiver fazendo. No segundo caso, é até bom, ninguém merece fofoqueiro.
Já no primeiro, é justamente por não saber disso que as pessoas lhe criticam.
Então, fiquem com esta reflexão.
Até a próxima!
Beijos do Kyon!

Música #00: Apresentação e Explicação

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Olá, pessoal! Como vão? Espero que bem.
Hoje estou aqui para anunciar mais uma mudança do blog. A esta é referente as postagens de música. Elas serão feitas de outra maneira a partir de agora.
Antes, eu fazia apenas umas reviews de álbuns e eu sentia que dava um pouco de trabalho e mesmo assim, acho que era uma das coisas menos visualizadas do blog, mesmo que eu amasse fazer.
Então, por conta disso, decidi mudar o modo de postagem de música aqui no blog.
Não posso mesmo parar de falar de música aqui, é uma das coisas que mais faz parte da minha vida e que muito me inspira, tanto como pessoa e como escritora.
Maioria das minhas sessões de escrita são embaladas por algo no fundo, desde uma OST de filme ou jogo, algum álbum ou só o aleatório do player mesmo.
Minha mente funciona muito melhor com música. Não consigo imaginar minha vida sem uma música. Acho que tem cada uma para um momento. haha
Enfim, sem mais enrolar vocês: Como serão os novos posts sobre música, Anelise?
Bem simples, na verdade!
Como meu gosto musical é, digamos, diferente e até inusitado, por que não apresentar os cantores e bandas que gosto aqui?
Seguiremos esta linha, a da apresentação. Contando sobre a história do cantor/banda, quando fez sucesso e claro, para deixar mais pessoal, quando eu conheci e com qual música.
Acho que ficará mais divertido para mim e para vocês também. Porque eu gosto de falar do que gosto e vocês vão descobrir coisas novas. Não sei vocês, mas eu gosto muito disso!
E claro, quero fazer com tudo bonitinho, como foto, com perfil completo e compartilhando algumas das músicas no final.
Vou me empenhar em trazer o melhor para o blog. E estou muito animada.
Na semana que vem já começa. Tentem chutar quem vai ser. haha
Até lá!
Beijos!

One Punch Man

sábado, 29 de julho de 2017

Que saudade que eu estava de falar de algum anime aqui no blog. É algo que gosto muito de assistir, mas como em 90% das vezes, eu tenho muita preguiça. (Alias, difícil dizer para o que eu não tenho preguiça né?)
Aproveitei que saiu One Punch Man na Netflix, e dublado inclusive, aproveitei a minha vontade de assistir ao anime a praticidade de só ligar a Netflix e assistir. A começar que não é um anime tão novo assim, mas não menos divertido.
One Punch Man conta a história de Saitama, um cara de 25 anos, que aos 22 decidiu treinar para se tornar um herói. Era isso o que ele queria fazer, mesmo apenas como um hobby que não desse dinheiro. Como ele mesmo diz: Ser herói por diversão.
Saitama treinou por três longos anos, correndo 10km, fazendo 100 flexões, abdominais e agachamentos, todos os dias. Assim, ele acabou adquirindo poder de vencer qualquer um com apenas um soco. (Daí o nome do anime: Homem de um soco, em tradução livre.) E claro, ficou careca. haha
O mundo de One Punch Man é repleto de Super Heróis, dos mais diversos tipos e níveis, com o mapa-mundi semelhante a Pangeia. Existe a Academia de heróis, que classifica e controla todos os superpoderosos.
E sinceramente, não fique esperando um anime sério. É shounen, é, mas com a dublagem br que o anime recebeu quando foi para a Netflix deixou um feels total do Yuyu Hakusho, que também é shounen e é repleto de falas engraçadas.
Além do ponto forte da dublagem, também temos as lutas do Genus, que é o ciborgue que praticamente idolatra o Saitama. As lutas do Saitama mesmo, longa, só a do final, isso porque ele enrola mesmo.
Anime repleto de ação, comédia e que rende muito entretenimento.
E venhamos e convenhamos que um dos melhores pontos deste anime é o próprio protagonista: Saitama. Ele faz tantas caretas engraçadas durante que não tem como não rir. É uma pessoa apática porque o poder dele o deixou assim, sem ver graça na vida. (Alias, o pior inimigo dele é uma mosca.)
Enfim, super recomendo One Punch Man. (Dublado. Assistirei em japonês ainda só para saber como é.)

Cantada Gratuita

terça-feira, 25 de julho de 2017
"Oi gata. Quer TC?" "Olá! O que você achou de mim?" "Nossa, adorei a sua nova foto de perfil. Muito sexy." "Linda D+++!"
Isso parecem mensagens "normais" para você? Mensagens que você receberia de alguma pessoa que tem alguma intimidade?
Acredite, desde os meus 14 anos, chegam mensagens assim para mim.
Não sei o que há com alguns homens, esse desespero, não sei, de ter que te elogiar. Ou melhor, que eles pensam ser elogio, mas na minha humilde impressão quando acontece, trata-se de assédio. Da forma mais pura e descarada.
E sabe por quê? Porque é algo que praticamente chega do nada, vem do além. A pessoa não dá nem bom dia, as vezes nem um oi se dá ao trabalho.
E sério gente, não querem que a gente reclame? Realmente eles não fazem ideia do que é estar andando na rua - com qualquer roupa, porque isso não é motivo e nem brecha para nada - e um cara te manda beijinho, te canta, te olha de cima a baixo só faltando despir você ali mesmo e "fazer o que interessa".
E claro, isso passa para as redes sociais. Se você posta foto nova, altera a de perfil, não falta muito para chorar - no meu bom palavreado - macho escroto e carente para te cantar, querendo inflar sei lá o ego de quem, porque o meu que não é. Eu me emputeço mesmo!
E o pior de tudo foi nesta última semana, quando veio uma leva - sim, uma LEVA, ENXURRADA - de caras de me adicionando no facebook. Em sua maioria eram autores. Mas, a gente sendo mulher sempre fica com o pé atrás quando se trata de um homem adicionando. E olha, eu estava certa!
Um deles, nesse último final de semana, nem deu oi direito e já mandou foto e perguntou: O que você acha de mim?
E sinceramente, eu dei block mesmo. Com muito louvor. (Não que eu seja religiosa, é só um meme.) Não tenho paciência para isso não? Na boa!
Ninguém acorda domingo e tá disposta a recebe foto gratuita? Eu que não!
Enfim, este caso me despertou e me deu inspiração para este texto um tanto diferente. Mais sincero, nada muito poético, nem nada. Só desabafo e sinceridade! 
Porque olha, é difícil, muito difícil ter que aguentar essas coisas.

Bullet Journal: Junho & Julho

sábado, 22 de julho de 2017
Olá, pessoal! Lembram da postagem do Bullet Journal que fiz em Maio?
Prometi que voltaria bimestralmente para mostrar as quantas anda meu Bullet Journal.
E muita coisa do Bullet é adaptação, você testa e se funciona, continua usando. Estou incluindo algumas coisas aos poucos também.
Por enquanto, a meta de 2017 de organização tá funcionando. E até melhor do que eu esperava!
E claro, minhas habilidades artísticas estão melhorando. Estou um bocado orgulhosa admito.
Vou fazer no esquema de fotos das páginas e vou explicando, juntando páginas de mesmo tipo para evitar ficar repetitivo.

E as capas ficaram mas divertidas e coloridas, admito.
Em Junho, com tema de Namorados, usando adesivos de um caderno da Rocker Girl que comprei em 2010. Uma página lotada de corações e que ficou uma graça. É a minha favorita por enquanto!
Em Julho, com tema do Snoppy, aproveitando que fui num aniversário de um ano com este tema, aproveitei algumas lembranças da festa para usar no Bullet. Este foi o primeiro que usei recorte e colagem. Fiz o mês bem menor, com essa lua bem banana e várias estrelas. E claro, Snoppy deitado no telhado da casinha dele. (Acabei me lembrando dos meus caderninhos de "avisos" da escola, todos eles foram do Snoppy.)

E na página seguinte, temos a já conhecida Tabela de Escrita.
Ainda estou tentando encontrar uma maneira de escrever todos os dias, nem que sejam 500 palavras.
Mantenho um ritmo parecido com as postagens daqui. Então os dias da semana que mais escrevo são os dias que estou escrevendo para cá.
Em Junho, alguns dias foram dedicados a escrever meu Pré-TCC e meu trabalho de PI, então eles estão marcados ai também. (E tem meu Aniversário de Namoro escrito ali no canto.)
Já em Julho, férias, como já sei, a tendência é eu escrever bem menos. Acho que bate uma preguiça. Sem contar que tive duas viagens seguidas, evento no centro e o começo do estágio este mês. Então, já viu né?

A próxima página é dos Hábitos/Tarefas. Ela teve algumas modificações. Tirei alguns dos itens, deixei só do blog mesmo, vídeos, leitura, e inclui do TCC.
O sistema de usar três cores é bem melhor do que aquela doideira de colocar umas seis no começo. Eu ficava perdida em meio de tantas. haha
E pode-se ver que estou me dando bem melhor para fazer a tabela. Ela ainda fica meio torta, imperfeita, mas melhor que aquela coisa toda cagada que tava antes.
O que importa é que seja funcional também.

E ainda tem a página do Youtube, onde só coloco os vídeos que sairão naquele mês.
Admito que essa página é a mais vazia. Tem meses que é só um vídeo ou dois mesmo. Nessa parte preciso me organizar melhor para gravar + editar + postar. Alias, tivemos férias da minha mãe nesse meio tempo, ai bem, eu não consigo gravar com ela em casa por razões de: Ela adora ser inconveniente e entrar no quarto sem bater. O vídeo da Tag: Querida eu mesma tá de prova como é gravar com meus pais em casa.
Enfim, não está ali na foto, mas tem vídeo programado para o Contos Anê em Julho. Com a graça das divindades vai sair!

E chegamos a última e nova página: Dos Assistidos e Lidos do mês.
Resolvi também fazer isto, porque é uma das partes divertidas do Bullet Journal é você poder desenhar e colocar coisa diferentes, como o que tem lido e assistido.
Fiz uma TV e vários livros em Junho, sendo que nem usei dois. (Fui pretensiosa.) TCC na vida é isso ai!
Em Julho, fiz um quadro simples para os assistidos e fiz um cordel para os livros, os dois ficaram uma graça.
E foi de lápis mesmo porque eu queria este tom e rascunho - mentira - eu sou péssima desenhando de caneta. ahah

Bem, pessoal, assim é como está meu Bullet Journal nesses últimos meses.
Segue também a versão em vídeo, porque vocês sabem que eu gosto de fazer.
Bullet Journal agora só em Setembro.

Kyon #25: Minha protegida e o problema de acertarem seu nome

terça-feira, 18 de julho de 2017
Olá, pessoal! Como vão?
Kyon aqui de novo trazendo mais um texto antigo, mas que acho divertido.
Qual pessoa que tem um nome "diferente", nunca sofreu por outros não acertarem seu nome? Ou melhor, ter que perguntar uma segunda e uma terceira vez - em alguns casos, ser obrigado até a soletrar - para que escrevessem ou falassem o seu nome direito.
Anelise sofre disso desde a infância e olha que o nome dela não tem nada demais. Vocês entederam lendo...

Minha protegida e o problema de acertarem seu nome
Acho que é sabido de vocês que Anelise reclama muito das pessoas só acertarem o nome dela a partir da segunda vez que falam/escrevem.
Mas por que diabos isso acontece? O nome dela é bem normal, não tem dificuldade alguma. Sem nenhuma letra dobrada, nenhum "y". Nada que deixe o nome difícil.
Então, qual seria o problema? (Hora do Kyon investigador descobrir!)
O nome dela se escreve do jeito que se fala, exceto pelo fato de termos um S com som de Z.
Ai já se explica o porquê de escreverem com Z.
Ou vem o clássico Ana Elisa. Gente, as pessoas são surdas? Tem uma grande diferença entre as duas pronúncias. Pode ser que haja muito barulho no local ou a língua meio travada da Anelise.
E quando acontece de ser "Denise"? Ela quase explode de raiva.
"Qual é o problema de vocês, pessoas?" - Anelise
Anelise chega até a comemorar quando acertam de primeira, o que é mesmo uma raridade.
Mas apesar de acontecer tudo isso, tipo milhares de vezes, já é algo que faz parte da vida dela. Ela já está até acostumada. Pergunta se entenderam ou querem que ela soletre.
Ela pode aparentar ser essa pessoa revoltada da vida (o que ela é mesmo), mas ela é legal!
As pessoas que passam a escrever o nome dela certo são realmente as que convivem com ela. As que estudam com ela e com quem ela tem afinidade.
Pois é, esse é uns dos poréns de ter escolhido o próprio nome. Pode não ser um nome difícil, apenas diferente, mas que confunde muito a cabeça das pessoas porque não é uma nome que se ouve em qualquer esquina.
Anelise! Não Anelize, Ana Elisa, Ana Elise, Denise. Nenhuma dessas variações!
É assim que é! Por favor, não compliquem o que não complicado, ela já faz isso o suficiente sozinha. (E com drama em dobro.)

Prometo que no próximo post escreverei algo novinho para vocês.
Eu gosto de fazer estes reposts porque realmente tem alguns textos do extinto Blog do Kyon que eu gosto muito.
Até a próxima!
Beijos do Kyon!

Novidades no blog!

sábado, 15 de julho de 2017
Olá, pessoal! Como vão?
Cá estou eu com mais uma novidade para o blog.
Tinha um tempão que eu tava com vontade de trocar as tags do blog, adicionando umas e tirando outras. Claro, fazendo imagens novas para elas.
Incluindo também novas categorias que eram recorrentes e eu não tinha tag para guardar.
São estas abaixo!







Fiz bem clean mesmo, combinando com o tema do blog.
Segue a lista das novas tags. (Da esquerda para a direita e de cima para baixo)

  • Textos;
  • Resenhas;
  • Filmes;
  • Doramas;
  • Animes;
  • Pessoal;
  • Música;
  • Tag;
  • Kyon;
  • Top 5;
  • Vídeos;
  • Blog;
  • Outros.
Então, com estas novas categorias, ou melhor, categorias incluídas, porque elas já existiam, vamos mudar um pouco o modo de postagem no blog.
Mas tudo isso vai evoluir com o tempo. Não vai ser de um dia para o outro.
Eu fico animada com qualquer pequena mudança no blog, porque eu adoro escrever para cá.

Vídeo: Melhores Momentos Contos Anê

terça-feira, 11 de julho de 2017
Olá, pessoal!
Mais um vídeo esta semana porque ainda tô organizando algumas coisas, mas logo voltamos ao ritmo normal.
Vídeo dos melhores momentos dos 50 vídeos do Contos Anê, que é o espaço dedicado especialmente ao eu escritora e minhas histórias. Espero que se divirtam! =D

My Only Love Song

sábado, 8 de julho de 2017

Vamos falar de mais um dorama aqui no blog? Vamos sim!
Dorama feito exclusivamente para a Netflix: My Only Love Song.
O dorama tem uma pegada meio Scarlet Heart, uma garota da atualidade que vai parar do passado.
Song Soo-Jung é uma atriz famosa e arrogante. Ela está um dorama de época (Épico, para íntimos), cujo roteiro é sobre a Princesa Pyeong-Gang, a primeira Nanyeon da história coreana. (Quer dizer que ela foi a primeira mulher que escolheu com quem iria se casar.)
Só que durante as gravações ocorreu um plot twist louco, aparece uma meia-irmã da princesa e a Soo-Jung fica muito, mais muito puta e claro, xinga a equipe inteira. Sem contar do detalhe de que a atriz que faz sua meia-irmã também lhe roubou seu namorado. Três vezes mais puta que ela fica!
Claro que aquilo causou uma enorme confusão e o assessor dela a manda apenas fugir. Seu carro não abre, então, ela corre para a Kombi: Bong Bong.
O GPS maluco joga ela numa direção e ela só segue, até que do nada, ela vai parar no passado, na época e na história da princesa.
O dorama é bem divertido e engraçado, o misto de uma pessoa do futuro no passado é ótima. O que rende algumas pérolas, porque a Soo-Jung faz coisas que uma mulher daquela época nem pensaria.
Junto com a busca de um modo de voltar para casa, ela acaba tendo que juntar a Princesa com o seu verdadeiro amor: On Dal.
Mas, ela conhece On Dal assim que a é presa por ter aparecido com a Kombi, que muitos chamam de monstro.
O dorama é repleto de personagens maravilhosos, como Sam-Yong, que é o assistente da Soo-Jung; Il-Yong, o nobre narcisita e que tem uma tara louca na "menina do futuro"; Moo-Myong, o guarda-costas da princesa, que nunca fala, mas pensa tudo; On Dal, o melhor crush que se pode ter na vida.
E sendo sincera, a Bong Bong é bem da safada e ferra com os personagens o tempo inteiro.
É um dorama curtinho, 20 episódios de meia hora cada. Uma boa pedida para quem não conhece muitos doramas e quer começar a assistir.
Nem preciso dizer que eu amei o final! O casal fica juntinho. <3

Top 5 #29: Melhores Chara Songs

terça-feira, 4 de julho de 2017

Olá, pessoal! Sejam bem-vindos a mais um Top 5 aqui no blog.
E sim, falaremos de animes de novo. E de Chara songs. Mas o que é isso? Eu explico!
Tratam-se de música cantadas pelos personagens de anime, usando os próprios dubladores (que cantam também), dando um adicional a mais para eles e a histórias. O nome comprido é Character Song. =D
Alguns animes como Free, Uta no Prince-sama, Date a Live, Idolmaster são recheados de Chara songs, o que rendem muitos shows por aí. Já faz parte do anime praticamente.
E elas são vendidas em CDs separados por personagem. Tudo para arrancar dinheiro de fangirl/fanboy. E detalhe importante, elas não aparecem no anime.
Eu nunca escutei tantas assim, mas já algumas e falarei das minhas favoritas. Bora lá!

5- Name of the Flower - Minori Chihara (Nobunaga the Fool)
Por que a cantora e dubladora favorita não estaria neste top né? haha
Ouvi essas música um dia no Tumblr, lá em 2014, na época de Nobunaga the Fool, onde ela também canta a abertura: FOOL THE WORLD. A música pertence a personagem Ichihime dublada pela Minorin. E é muito fofinha!
Admito também não ter visto o anime, ainda. Porque interesse não me falta.

4- Bayonet Charge - Nana Mizuki e Ayahi Takagaki (Symphogear) / Makenai ~Ichizu Ver~ - Minori Chihara (Tenjou Tenge)
A primeira conheci por um live do Symphogear que vi no grupo de fãs da Nana Mizuki que tenho no facebook. E adorei a música, até porque amor a Ayahi também. Admito ter estranhado a voz dela, mas a proposital com a personagem. (Porque essa mulher canta ópera gente! =D)
A segunda é uma música que eu amo e muito, parte do OVA de Tenjou Tenge e quem canta é a DIVA, sim senhora. Este anime eu vi, junto com meu namorado!

3- Yuki, Muon, Madobe Nite - Minori Chihara / Mitsukete Happy Life - Yuko Goto (Suzumiya Haruhi no Yuutsu)
Por que não teria Suzumiya neste top? Foi anime que me jogou nesse mundo mais otaku e seiyuu e tudo começou por causa das Chara songs do anime. As sei quantas versões de Hare Hare Yukai cantadas por todos os personagens, cada uma com um estilo.
Difícil escolher minhas favoritas, então coloquei três no Top. haha
As daqui são Yuki, Muon, Madobe, Nite e Mitsukete Happy Life, porque eu amo as dubladores e dos personagens. (Se bem que Select? entrava fácil aqui.)

2- Kentai Life Returns - Tomokazu Sugita e Aya Hirano (Suzumiya Haruhi no Yuutsu)
Por que o dublador japa favorito e o personagem husbando não estariam neste top? haha (Prometo que é a última vez que faço isso hoje.)
Sim, mais Suzumiya aqui, já expliquei o porquê.
Essa música é muito divertida e o mais engraçado é que Sugitan nem cantar direito canta. Conheci a música através de um cover traduzido e é por isso que eu sei sobre o que a música fala. O quanto a Haruhi perturba o Kyon. hahaha Basicamente!

1- Sound of Destiny - Nana Mizuki / WHITE ALBUM - Aya Hirano (White Album)
Um dos pontos fortes de WHITE ALBUM são sim as Chara Songs. E neste anime não é um plus, é algo que faz sentido, pois é um anime que fala sobre música e cantoras. Então é super válido conhecer as músicas. Coloquei as músicas solo das protagonistas. Elas até tem o dueto POWDER SNOW. Aqui tem a exceção, porque ambas as músicas aparecem em seus animes.

Bem, pessoal, este foi o Top 5 de hoje.
Gostaram de conhecer algumas chara songs? Espero que sim.
Até a próxima!

Tag: Hábitos de escrita

sábado, 1 de julho de 2017
Vídeo meio antigo, pois estou viajando. =D

Precisamos falar sobre... #10: Polêmica da Maisa, Dudu Camargo e Sílvio Santos

terça-feira, 27 de junho de 2017

E claro, novamente, um post deste estilo se faz necessário. E sinceramente, é uma categoria bem para quando rola uma polêmica. Sempre me afasto delas um pouco, mas algumas cutucam no meu lado feminista de ser.
Falarei hoje sobre a polêmica da Maisa, do Dudu Camargo e do Sílvio Santos que rolou nessa última semana. Tudo aconteceu no Programa Sílvio Santos, durante o Jogo das Três Pistas, que consiste em dar três pistas sobre algo e eles devem adivinhar, o auditório também participa.
Só que, na boa, foi um show de horror. Eu nem sei como consegui assistir a tudo. Acho que foi pelo bem desta postagem!
Enfim, os dois, Dudu e Sílvio, ficaram bons quinze minutos falando sobre a vida pessoal da Maisa. Numa espécie de "eu sei o que é melhor para você mais que você mesma".
Sílvio ficou empurrando o Dudu para menina, dando uma de cupido fail total. E você percebia a pobre desconfortável com toda a situação. E olha que ela não tava aguentando calada não. Ela disse o tempo inteiro que "não", "ele não faz meio tipo", ainda disse que "ele é muito engessado". (Nisso eu concordo com ele. O garoto é totalmente fabricado. E o infeliz é jornalista sem diploma, que ódio!)
Sílvio ainda disse que eles deviam casar e ter um filho, já que ela tinha 15 anos. Gente, ele perdeu mesmo a noção do ridículo.
E nem entremos no detalhe do Dudu Camargo provando a sua heterosexulidade feat Menina otaka aleatória dançando com ele, já que Maisa não quis. (Nada contra a garota otaka, é porque ela tava de uniforme marinheiro e meia de gatinho.)
É ridículo uma pessoa querendo provar algo só por mídia. Isso é falta de segurança!
Sem contar que ele fala como se estivesse num jornal, que angústia da porra!
Teve gente que disse que a Maisa foi mal educada, que ela tinha que ter entrado na brincadeira. Gente, qual o problema de vocês?
Alguém te empurrando macho escroto, o macho escroto querendo dançar contigo, ter sua vida pessoal toda posta em cheque, falando que é falta de namorado, é TPM, é BV. Maisa tava certa de não se calar. E não se calou mesmo! Maravilhosa!
Acho que ela foi super educada até. Porque ela, apesar dessas "gracinhas", ficou lá, linda, bela, maravilhosa, empoderada, sambando. Ela não se deixou abater. Podia ter saído? Podia! Mas o melhor que ela fez foi não ter saído, ela nos deu uma lição com isso.
Fez valer suas palavras, mostrou sua indignação, questionou as frases direcionadas a ela.
Juro que se fosse eu, já tinha dito algumas pros dois. Já tinha mandando a merda mesmo! Tenho paciência não.
E também até colocaram a Larissa Manoela no assunto, sem a garota estar ali para se defender.
E depois teve o jogo, normal, voltando ao assunto "do casal" umas duas vezes. E claro, que tinha que fechar com Maisa quase perdendo por ser roubada. (O auditório ganhou, mas a Maisa ganhou do menino.) Porque uma das respostas era "aeromoça", mas a Maisa, mais que certa, disse "Comissário de bordo", que é nome correto da profissão. Sem contar que até a dica tava bem sexista viu: É bonita e gentil. "Meress"...
Maisa, parabéns pelos pisões que você deu nos dois! E a lição e força que você mostrou para muitas outras moças! =D (E o sapato da sola vermelha.)

Resenha #33: Entre Vidas II - Lise

sábado, 24 de junho de 2017
Olá, pessoas!
Mais uma resenha aqui no blog e dessa vez de mais um livro nacional e claro, nosso vídeo de bônus.
O livro é Entre Vidas: Lise da autora Juliana Leite. Ele é continuação de Kiara, que também teve resenha no blog e vocês podem ler aqui.
Primeiro a sinopse e depois a resenha!


Sinopse: Lise é uma jovem que viveu sua vida sozinha roubando para sobreviver entre as ruas da Londres recém fundada pelos romanos. Sua vida muda completamente quando encontra dois rapazes que tenta enganar. Ela descobre suas origens, revisita seu remoto passado e tem que enfrentar as duras consequências de seus erros que poderão para sempre a afastar da possibilidade de viver o amor que vem em sua alma há séculos.
No segundo volume de Entre Vidas a filha favorita da Deusa terá que encontrar forças dentro de si para ajudar os celtas a conter o avanço dos romanos. E veremos como uma pessoa sem honra e assassina fria, pode se transformar numa heroína para seu povo.

O livro conta a história de Lise, uma garota que viveu toda a sua vida na cidade romana de Londinium. Ela não é uma flor que se cheire. Uma ladra nata, aprendeu a viver da pior forma, um dia de cada vez. Ela não tinha perspectiva de futuro, ela só se importava se conseguiria comer, dormir e sobreviver. Não era a sua culpa ser assim, foram suas experiências que a levaram para tal.
No começo do livro ela rouba o governador da cidade e sua filha, conseguindo fugir, vai para uma taverna e acaba se encontrando com dois homens do norte: Úrien e Nolan, que procuram uma pessoa com a descrição física de Lise. Os três acabam presos por razões de: Confusão. (Tipo Sessão da Tarde.) No fim das contas, eles fogem, deixando um "amigo" de Lise para trás.
Os três rumam par ao norte, já que Lise não pode mais ficar em Londinium. Mais um se junta a eles, Riley, enviado da Irlanda. (Acho que é lá!)
Úrien e Nolan procuravam por uma garota com a descrição física de Lise e que tivesse o medalhão para que ela fosse levada a aldeia e assumisse seu lugar de direito.
Quase no final desta viagem, eles encontram uma pequena tropa de romanos, os derrotam e deixam um vivo e o levam para aldeia. Só que Lise acaba libertando-o, com a promessa de ganhar cidadania romana, na noite de Yule. (O que acontece no Yule fica no Yule. haha Como falei no vídeo!)
Apesar de ter sido bem recebida, Lise foi egoísta e este seu ato levou a um ataque romano na vila, onde ela foi praticamente dizimada, sobrando poucas pessoas.
Ela é odiada por todos a partir dai e tem que fazer de tudo para mudar isso, cumprindo o destino que lhe foi programada. Ela é a união de dois povos e a líder de direito!
Cabe somente a Lise salvar os povos da invasão romana e preservar os últimos povos que cultuam a Deusa.
O livro segue com a aventura de Lise, Úrien, Nolan e Riley, em busca das pedras para proteger o povo do norte dos romanos. Indo, inclusive, parar num típico coliseu romano.
O mais legal do livro é ver o desenvolvimento de Lise como personagem. Ela não sabia nada sobre si mesma. De um dia para outro descobre uma família e um legado a cumprir. Não se acha capaz de realizar aquilo, sabe bem que não é uma boa pessoa, ela nunca foi. É isso o que é mais legal da personagem: Humana, com falhas e erros, querendo consertar.
Se Kiara era uma jovem de fé inabalável, Lise é uma jovem desacreditada, mais em Si do que na Deusa. Entra em contanto com toda uma cultura que desconhecia, visita, num flash, a sua vida passada (neste livro já entram os detalhes de reencarnação) e sabe tudo o que lhe aconteceu antes. Sabe que pessoas daquela vida estão junto dela também nesta.
É o livro de fantasia com treta de novela mexicana que a gente gosta. Úrien e Lise conseguem ser mais difíceis que Dárien e Kiara. Eita casalzinho também!
Admito ter ficado muito revoltada com uma morte perto do final do livro, mas ele me agradou por inteiro. Gosto mais da Lise do que a Kiara agora. Tecnicamente são a mesma pessoa, mas enfim, a cada vida a gente muda. E dá para perceber isso só por comparar as experiências de ambas as vidas.
E por favor, não leiam este livro com a cabeça no outro. A história é diferente e são personagens diferentes.
Adorei novamente as culturas mostradas e as etnias diferentes no livro. E claro, um ponto a mais por ter aparecido o Nero no livro.
Se você de fantasia, com romance, com reencarnação, é um pedida. Mais que recomendo!

Bem, pessoal esta foi a resenha escrita. Segue a que fiz em vídeo.
Até a próxima!


Kyon #24: Pressões da vida

terça-feira, 20 de junho de 2017
Olá, pessoal!
Kyon aqui de novo. Estavam com saudade de mim? Espero que sim!
Eu fico com saudade daqui, porque gosto de escrever sim para cá. Divirto-me fazendo!
O tema da postagem de hoje é: Pressões da Vida.
Vocês já prestaram atenção em como as pessoas nos pressionam? Em qualquer coisa, em qualquer momento da vida.
Acontece desde que a gente é bebê.
Quando vai andar? Quando vai falar? Quando vai para a escola? Quando vai aprender a ler ou escrever? São tantas cobranças para alguém tão pequeno, penso eu.
Você sempre é pressionado para algo na vida, a vida toda.
Tirar boas notas, passar de ano, entrar na faculdade, se formar, trabalhar, casar, ter filhos, ser bem sucedido, conseguir se aposentar. Etc, etc, etc...
E se a gente for prestar atenção e levar em conta só os pontos de vista externos: nós somos cobrados e pressionados o tempo todo. E isso é muito ruim!
Sabe por quê?
Causa ansiedade, por conta das expectativas que pessoas nos colocam. Sonhos delas mesmas que nos jogam. E a gente pode acabar se perdendo se não prestar atenção, vai só "seguindo o fluxo" e quando percebe está infeliz.
As pessoas nunca vão estar satisfeitas e vão nos pressionar. Porque elas, em algum lugar da cabeça, se acham no direito de fazer isso.
Mas, o que importa é o que nós mesmos queremos fazer e quando queremos fazer, ou, às vezes, nem queremos fazer.
É complicado lidar com a pressão externa e claro, a interna também. Porque o maior cobrador é a nossa própria consciência!
Bem, este foi o post de hoje. Espero que tenham gostado e que reflitam um pouco sobre.
Beijos do Kyon!