Pessoas que me inspiram: Naoko Takeuchi

terça-feira, 23 de maio de 2017

Querem conhecer mais uma pessoa que me inspira? Engraçado que é a maioria mulher né? haha Coisas de feminista isso. (Teve só o Sérgio Klein de homem.)
Hoje entramos no ramo mangaká (desenhista/autora de mangá) da vida: Naoko Takeuchi.
Esta moça, que nem mais é tão moça assim, é autora de nada mais nada menos do que um dos meus mangás/animes favoritos: Sailor Moon.
Sua maior obra fez parte da minha infância e da minha vida. Estaria mentindo se dissesse que Sailor Moon não fez parte da minha vida e me influenciou muito. Vide que As Super Agentes, aka meu primeiro livro, tem algumas coisas inspiradas em Sailor Moon, a começar que também é um mahou shoujo ou bishoujo.
Ela me ensinou que as meninas podem sim ser fortes e não depender de homens para salvá-las. Elas mesmas podem fazer isso. Elas podem tomar as rédeas da sua vida!
Personagens fortes e maravilhosas que inspiraram muitas das minhas brincadeiras infantis. Quantas vezes não fingi que era uma Sailor?
O seu jeito de contar as histórias me inspirou a contar as minhas também, repletas de meninas fortes, de magia e até de romance.
Fez eu perceber que eu adoro ciência, especialmente astronomia. Já que temos planetas em Sailor Moon.
Ainda lembro com muito amor de suas personagens. Uma pena que ela praticamente não tenha feito mais nenhum outro mangá, mas isso não a torna menos inspiradora.
Naoko, sua linda!



Tag: Meu bicho de estimação

sábado, 20 de maio de 2017

Perguntas: (Para dona Gih, que foi intimada a fazer a tag por mim. haha)
1- Qual o nome do seu bichinho de estimação?
2- Qual a espécie e a raça dele?
3- Qual a idade?
4- Como ele entrou na sua vida?
5- O que ele mais gosta de comer?
6- Há quanto tempo você tem o seu animal de estimação?
7- O que ele faz que é muito engraçado e fofo?
8- Como é sua relação com seu animal de estimação?
9- Conte uma situação engraçada que aconteceu com vocês.
10- Alguns apelidos/nomes que você chama o seu animal de estimação.

Kyon #22: A Busca da Criatividade

terça-feira, 16 de maio de 2017
Oi, pessoal! 
Kyon aqui de novo. Como vão? Espero que bem!
Hoje falaremos de mais um dos escritos da Anelise, a dona deste blog, um conto especificamente.
Trata-se de A Busca da Criatividade, um conto que foi escrito para o Concurso de Aniversário do Café com Letra, grupo de escrita do facebook que ela participa.
Vou deixar a sinopse e o link e depois falo um pouco mais.



 Sinopse: Um acidente, uma autora em coma, seus personagens    em apuros. Só eles podem salvar o seu mundo e a sua deusa.      Eles devem fazê-la despertar.


A Busca da Criatividade é um conto que foi pensado em 2006, mas foi escrito mesmo no ano passado, 2016, porque o tema se adequou bem a ideia original da história.
Imagine que um autor acaba se acidentando e entrando em coma, como é que ficam os personagens dele, lá dentro da cabeça dele? É isso que o conto fala.
Ele ocorre dentro do universo de Anelândia, que é uma terra onde todos os personagens (conhecidos e desconhecidos pelo mundo externo) habitam. Cada um tem sua cidade, com as características descritas em suas próprias histórias. Porém, os próprios personagens se conhecem e cultuam uma deusa, que é a autora no caso. (Dá uma olhada na viagem da cabeça da pessoa.)
Então com o coma dela, os personagens também acabam sofrendo e são eles quem tem que ir salvá-la, pois eram os únicos a quem pode recorrer.
Sendo assim, o conto segue com a jornada de um grande grupo de personagens indo a terras além dos limites conhecidos por eles. Tudo em prol de salvar aquela que lhes deu a vida.
Como o conto foi avaliado, alguns problemas foram apontados nele, como o excesso de personagens para quem não conhece nada sobre o universo. Enfim, este detalhe será consertado adicionando-se um dossiê sobre os personagens presentes, apresentando-os devidamente e rapidamente. haha
Este é o quarto conto ambientado em Anelândia, também temos: Reunião das Mulheres de Anelândia; Encontro em Anelândia; Natal em Anelândia.
E vocês poder ler A Busca da Criatividade no Nyah Fanfiction.
Em breve, o conto estará disponível na Amazon, com as alterações que serão feitas. Quando sair, claro que serão avisados sobre tal.
Particularmente é um conto que eu gosto muito, ele complementa muito bem com Encontro em Anelândia, na questão de apresentar vários personagens. E é bem legal imaginar um mundo em que seus personagens vivem.
Anelise tinha um medo deste conto acabar sendo um pouco prepotente demais, mas acabou não sendo. É uma outra declaração de amor a si mesma e as suas histórias.
E temos claras referências a Sailor Moon, Undertale e Divertidamente dentro do conto. Quem pegar pegou!
Fiquem com um trecho muito engraçado do conto:

Então, mais duas parecidas comigo chegaram. Uma trajava calça jeans, tênis e uma camisa escrita "Eu amo Anime e Yaoi". Já a outra, usava uma camisa diferente, com diversas fotos de cantores, atores e outros autores que sou fã. (E com a Chihara Minori bem grande no meio.)
-Ah, vocês apareceram. Pessoal, estas são a Otaku Fujoshi - apontou a de camisa "Anime" - e a Fã Surtada.
Então, a Fujoshi olhou para Mark e Dimitri e ficou imóvel, piscando várias vezes seguidas. Ninguém entendeu nada, até que ela falou:
-Ah, Mark, Dimitri. Ahhh... Meu Shipp! Tão canônico. - e saiu um fio de sangue escorreu de uma das suas narinas
-Ela sempre faz isso! - a Fã reclamou, pegando um lenço no bolso e dando a ela - Limpa logo isso, garota.
-Vou precisar de uma transfusão depois disso. - falou limpando-se
-Não vai. Não aconteceu nada. Eles estão só parados na sua frente. - e foi a vez dela - Ah, caramba! Olha só. As quatro melhores agentes do mundo bem na minha frente. - pulinhos e apertos de mãos em sequência - Que prazer conhecer vocês!
-Viu? Não sou só eu a maluca aqui!
-Fã surtada, pare. Chega! - Determinação colocou a mão na testa - Eu não aguento vocês duas. Eu vou ficar doida um dia com esses fangirling attacks.
-Miga, sua louca. Apenas pare! - Otaku puxou a outra para perto de si

Bem, pessoal, este foi o post de hoje.
Gostaram de saber mais sobre este conto?
Beijos do Kyon!

Resenha #32: O Legado do Outono

sábado, 13 de maio de 2017
Olá, pessoal! E ai, prontos para mais uma resenha?
Dessa vez é de um autor parceiro do blog: Vitor M Santos. Li O Legado do Outono e direi a vocês o que achei. Li em versão digital e é por isso que não tem a costumeira foto minha com o livro.
Bora para a resenha? Depois da capa e sinopse.


Sinopse: Uma Jovem. Um Legado. E uma estação onde as folhas caem... Dakota herdou um destino que poucos gostariam de ter. Após a morte trágica de seu pai, ela é atacada pelos homens do reino em que vive, sendo salva por um desconhecido. A partir desse dia, ele a ajudará a desvendar as linhas tortuosas de seu passado e quebrar o impetuoso desequilíbrio e caos que ascende sobre o reino. Os céus mostram que a paz não será uma opção na aurora do amanhã e as legiões da escuridão se erguem inevitavelmente com a chegada da noite. Guerras épicas têm sido travadas durante os séculos, mas agora essas mesmas desavenças não serão reprimidas facilmente.

Antes de começar a resenha, quero pedir perdão ao Vitor pela demora na leitura do livro. Faculdade tem hora que ocupa muito a gente mesmo, mas livro de parceria tem que sempre ser prioridade. Demorei, mas li o livro e falarei dele aqui hoje.
O Legado do Outono conta a história de Dakota Herenwar, de cabelos brancos e portadora de uma grande herança e missão. A garota tem um poder que é passado de geração em geração em sua família, que é o Legado das Estações. No caso o poder dela tem a ver com o Outono. Por onde passa, Dakota alaranja as flores das árvores. Além de ter outros poderes que ela não sabe.
Sua missão é deter o grande espírito maligno Iguory, que existe desde o início dos tempos e sempre reaparece a cada geração, tentando sempre conquistar Guiaturiar.
Dakota não fazia ideia de que era portadora da herança, ela viveu 16 anos como uma menina do campo, com seus pais adotivos. Ela já começa o livro fugindo para a Floresta Escura, pois Iguory começou seu ataque. Se vê sozinha e ainda consegue se defender usando os poderes que até então não sabia que tinha. Sendo assim, ela encontra seu protetor, Jozeph, o mago cerúleo (e anão) acompanhado de Drivee, um geuler (metamorfo) que é pupilo do mago.
A partir dai começa a aventura de Dakota. Se descobrindo, descobrindo seus poderes, missão, a sua própria história.
É um livro de fantasia que quem é fã de fantasia adora. Temos seres mágicos, reinos, guerras, um grande mal a ser detido e um escolhido.
Adorei conhecer o mundo de Mhírandia e mesmo demorando a terminar a leitura, os acontecimentos da obra são bem marcantes e não fica tão difícil de retomar a leitura. Uma coisa que sempre me deixa perdida é a quantidade de personagens, tem hora que é tanto personagem que eu me perco.
E percebe-se que o Vitor é fã de Tolkien, a começar por alguns nomes de locais. E o George R.R. Martin, porque olha, dois personagens maravilhosos morreram e eu tô RIP por eles até agora.
Só tô rezando para o resto não morrer. A minha preferida ainda está viva, espero que continue assim.
Tem muitos mais acontecimentos no livro e se eu contar, acho que vai tirar e muito a graça da leitura.
O livro terminou fechadinho, mas ele com toda a certeza tem uma continuação e que estou doida para ler. Quero ver Dakota explorando outras terras além-mar.
Só teve uma coisa que senti falta no livro: Um mapa. É muito lugar, ter mapa seria algo a mais bem legal. Espero que o autor providencie isto para a próxima edição. =D
Se você é fã de fantasia: recomendo!

Obs: Como a editora que publicou o livro fechou, não sei quando haverá nova edição de O Legado do Outono. Ainda tem alguns exemplares a venda na Editora Lotus.

E temos a resenha em vídeo também, vocês sabem que eu adoro fazer as duas. haha


Espero que tenham gostado da resenha. Até a próxima!

Ser invisível

terça-feira, 9 de maio de 2017

Tem dias que eu até brinco que eu tenho um certo "dom da invisibilidade", porque eu muitas vezes vejo pessoas conhecidas na rua e elas não me veem. É uma ótima tática para quando você não está a fim de encontrar gente na rua.
Mas, tem horas que eu sinto que acaba sendo até um pouco demais. E eu sinto realmente que tem horas que as pessoas simplesmente não te veem, você realmente fica invisível.
E eu realmente provei novamente isto nesta semana. Sempre que posta sobre algo triste, você meio que desliga essa invisibilidade e as pessoas te notam, nem que seja só por aquele post. Porque no resto, ela realmente não se importam. Pelo menos a maioria!
Estão sempre nem ai para o que está acontecendo com você, mesmo que você sinta vontade de compartilhar algo legal, não ligam.
Eu fico pensando nas pessoas que tem algum grau de depressão, como elas devem se sentir ao ver coisas assim. Eu nem tenho nada e já fico mal, não consigo imaginar como elas ficam. Por muitas vezes, elas devem pedir socorro e ninguém deve ligar.
Talvez tudo isso seja consequência do individualismo que existe hoje em dia. Todo mundo só se importa com si mesmo. Eu, minha vida, meus problemas. Eu, eu, eu e só eu.
Eu admito que adoro passar alguns momentos na minha própria companhia, sem ninguém incomodar, nem mesmo por mensagem. Ser um pouco invisível quando a gente quer ser mesmo.
Mas, sabe, tem horas que realmente parece que você não está lá. Tá deslocado, invisível. Acontece muito isto comigo em vários meios sociais que estou incluída.
Tudo isto me chateia? Sim, e muito.
Tem horas que queremos ser ouvidos. Queremos que nossa voz chegue a alguém e este alguém nos entenda.

Bullet Journal: Maio (Bônus: Abril)

sábado, 6 de maio de 2017
Olá, pessoal! 
Pois é, mais um vídeo de organização para vocês. Já devem estar de saco cheio né? Prometo que após este teremos um intervalo neste tipo de post.
Hoje vim mostrar a vocês o meu Bullet Journal de Maio. Bullet Journal nada mais é do que outra forma de organizar as nossas vidas, usando tabelas e quadrados e coisas coloridas.
No meu planner até misturei com algumas coisa de Bullet Journal ao usar a legenda. E também fiz um Planner para as postagens do Blog.
Eu estou com ele desde Abril, mas eu estava me adaptando ainda, então nem comentei nada.
Prometi a mim mesma fazer este post apenas em Junho, mas o de Maio ficou tão gracinha que resolvi
Enfim, vamos começar pela capa e a cada foto explico que se trata. Eu estou aproveitando para usar todos os adesivos que levei a vida para usar. Percebi que um dia temos que usar essas coisas, porque a gente não leva.
Capa básica com letra de caneta e uns adesivos. Eu não tenho habilidades para algo mais elaborado sem que fique cagado.
O tema do mês foi o Piu-Piu. E "Acho que vi um Bullet Journal".

E logo temos a Tabela de Escrita. Eu tô querendo saber o quanto eu escrevo e quando eu escrevo. Tô querendo fazer aquela do "Horário para escrever". E bem, já em Abril, percebi que escrevo pouco e em intervalos de alguns dias, centrando mais perto dos dias de post daqui. Quero mudar isso.
Aqui entram qualquer texto que escreva, incluindo as postagens do blogs, contos e os livros, seja qualquer pedaço de texto, será contabilizado.
E o nome "Write We May" é uma brincadeira com uma Tag de escritores que surgiu em Maio do ano passado. Traduzindo é "Devemos Escrever".

Aqui chega a parte que tá meio cagada. Tá feia, tá esquisita, mas a gente releva, porque mesmo assim ela tá atendendo ao propósito.
Tabela de hábitos, para saber os dias que faço exatamente as coisas. Quando tô escrevendo post, quando tô gravando, fazendo roteiro. Essas coisas! O Bullet tá sendo para: com o que estou gastando meu tempo. E claro, quero ler e escrever mais e manter um diário, por isso estes itens estão ali.
E a tabela não coube toda porque a folha e o caderno são pequenos. Improvisei colocando em baixo mesmo. É aquele ditado: A gambiarra a gente aceita, a gente só não aceita a derrota.
E sim, tem uma legendinha colorida e fofíneas.

E temos a última página, que é do Youtube. Só para listar os vídeos que vão sair tanto lá no canal quanto aqui, porque os vídeos saem nos dois. haha
Nada de muito mistério mesmo. Data e qual o vídeo.
E toma-lhe spoiler dos próximos posts. haha Essa resenha vai sair, em nome das divindades.
Bem, estão ai meus dois canais. O Ane-chan's, pessoal, para vlogs, resenhas, tags, coisas que quero gravar e o Contos Anê, que é apenas sobre os livros.

Bem, pessoal, este é meu Bullet Journal de Maio. Quem sabe não faça este tipo de post pelo menos bimestralmente, mostrando como ficaram os outros meses. Mas, nem deve ser algo muito diferente do que está aqui. Vou adaptando e me arrumando com ele enquanto isso.
Espero que tenham gostado e que isto lhes inspire a fazer um para vocês.
Fiquem com o vídeo onde mostro o de Abril como bônus.

Minhas experiências na Amazon

terça-feira, 2 de maio de 2017
Olá, pessoal! Como vão? Espero que bem!
Cá estou hoje para trazer uma postagem talvez até um pouco diferente para o padrão do blog. Hoje falarei um pouco sobre as experiências que eu tive com a Amazon.
Para quem não sabe, publiquei meu primeiro livro por lá no final de 2016. (Mais detalhes sobre o tal livro no final do post.)
Contarei um pouco sobre o processo de colocar o livro no ar, até o recebimento do primeiro pagamento, que foi agora em Abril. (E tive um pequeno contratempo com isso.)
A começar pelo processo de preparação do livro. Eu fui começar uns quinze a vinte dias a revisão. O livro tava desde 2009 maturando e já era hora de eu dar uma olhada e mudar algumas coisas.
Admito que alterei algumas coisas, tirei uns termo capacitistas que não sabia o que eram na época que originalmente escrevi. (Tem coisas tipo "autistando".) Mudanças leves, mas importantes para mim!
Ai entra uma coisa que me incomodou, o jeito da Amazon aceitar o PDF. Eu tenho uma boa noção de diagramação e Indesign. Então, naturalmente fui diagramar o livro no Indesign. Ficou lindo, maravilhoso, mas fui mandar o PDF, porque a Amazon "aceitava" o formato, mas ai não foi. E bem, acabou que refiz no Word mesmo e mandei assim mesmo. Depois, com mais calma, foi pegar no indesign e exportar para o formato correto.
No meio de processo também tive que abrir uma conta no banco, que não foi tanto problema. O único problema é o saldo negativo mesmo. Tive que abrir conta-corrente, porque a poupança tinha o dobro de burocracia e já era dia 21 de Novembro e pretendia lançar o livro no meu aniversário.
Fazer a capa foi uma das partes mais tensas, porque tava tudo dando errado. A câmera não funcionou, tive que fazer com o celular e o temporizador é horrível. Só para constar: é que eu tirei a foto da capa, eu sou a modelo da capa. haha Fazer a montagem no photoshop foi tranquilo, nada de muito diferente do que fazer minhas capas para wattpad por exemplo. Tirei a foto para não ter que me preocupar com direitos autorais, ainda não sei usar os bancos de imagem gratuita direito.
Acabou que no meu desespero, porque dizia que levava até 48 horas para confirmar a postagem do livro, que ele "saiu" dia 26, só divulguei dia 30 por ser o dia que marquei.
Fui divulgando o livro, fiz até evento de lançamento online mesmo, mas meio que não funcionou. O livro só foi vender a primeira unidade em Janeiro. E só agora em Abril que eu tive 84 leituras do Kindle Unlimited. (Netflix da Amazon, em suma.)
E eu tive problemas com o recebimento do meu pagamento, que eram só de míseros R$4,87. Eu, sem perceber, acabei cadastrando a minha conta incorretamente, então o pagamento deu falha. Pedi ajuda no suporte e fui muito bem atendida pela equipe da Amazon. Só pediram para eu verificar a conta, e a pessoa enrolada com o servidor (eu mesma), cadastrou errado de nome, ou melhor, o servidor nem validou o recadastro. Até tentaram entrar em contato comigo por telefone, mas não é algo que curta muito. Coloquei o número da conta de novo e finalmente o pagamento foi.
Se bem que o valor não me serviu de nada, continuo devendo no banco.
Enfim, são só alguns meses do livro lá, mas já estou percebendo algumas coisa com isso: Divulgação é algo complicado. E eu nem divulgo o livro tanto assim também.
Bem, essas foram as minhas breve impressões e experiência na Amazon. São boas por enquanto!
E claro, como prometi, aqui está um pouco sobre o meu livro publicado lá. (Ele sempre tá na barra do lado do blog.)


Sinopse:Jimmy Wayn é um garoto de 16 anos, que sofre de um grande problema, ele ainda é virgem, sendo muito zoado pelos seus inimigos do colégio. Os amigos e família entendem, já que ele deseja que aconteça na hora certa e com a pessoa certa. Ele também tem uma banda que escreveu uma música que conta seu dilema da virgindade. Em forma de diário, Jimmy conta as confusões que apronta com os amigos, além de contar seus sonhos e sentimentos, fazendo que tudo fique bem engraçado.
Link para compra na Amazon | Livro no Skoob | Degustação no Wattpad

Vou deixar de bônus dois vídeo sobre o livro. Um do Making of e outro de 10 Curiosidades.
Até a próxima!


Top 5 #27 (Kyon #21): Melhores Músicas originais das histórias

sábado, 29 de abril de 2017

Olá! Kyon aqui e com mais um top 5.
Para quem não sabe, Anelise já escreveu algumas músicas para as suas histórias. Algumas que tem relação com as próprias, outras só como uma espécie de abertura e encerramento, coisa de otaku mesmo.
Hoje irei apresentar a vocês o meu Top 5 dessas músicas que ela escreveu. Bora lá!
Obs: Elas tem apenas letra, não a composição. A melodia só existe na cabeça dela!
Obs2: Fiz trechinhos bonitinhos em foto para todas!

5- O tempo e o poder (As Super Agentes)
Por que não começar com elas não é mesmo? Essa foi a primeira música que ela escreveu e sim, é um tipo de opening song para As Super Agentes.
Não tem nada de genial ou muito poético, é só para ser uma animada música pop mesmo.

4- Garota Alaranjada (Guilty Angels)
Aqui está a música mais recente, de 2015. haha Realmente ela escreve poucas músicas.
Esta foi para o Niels se reconciliar com a Shay e gente, foi a coisa mais fofa do mundo. Vocês podem ler a história aqui.

3- Caído na Magia (Mago Belo e o Mundo da Magia)
Imagina a pessoa cozinhando e cantando esta primeira estrofe. Essa também é das antigas e que segue a linha abertura de anime de ser. Imaginem ela como um pop-rock alegre cantando por senhorito Dimitri Yaburano.

2- Porque ele é virgem (As Aventuras de Jimmy Wayn)
A questão é: Por que esta música não estaria neste top?
Uma das coisas mais importantes de As Aventuras de Jimmy Wayn é justamente a música, porque o nosso protagonista é guitarrista de uma banda: Riot of Hell.
Então, podem esperar que teremos muitas músicas no JV ainda.

1- Liberte a Diva em você / Mirror Magic (As Super Agentes)
E sim, Kyon também tem o direito de "roubar" top 5. Eu fico extremamente indeciso quando me deparo com essas duas músicas e preciso escolher um delas. Dá tela azul! (Tá, isso é exagero, mas confesso que é difícil.)
São as música da cantora pop (e a 5º agente) de As Super Agentes: Cammy.
A primeira é sobre o lado DIVA que todo mundo tem. Que atire a primeira pedra quem nunca usou escova de microfone.
A segunda é a famosa, para eu e Anelise, Mirror Magic. Que é da Cammy feat. Anelise (das Super Agentes) que faz um monte de bico de qualquer coisa. Ela é mil e uma utilidades.


Bem, pessoal, este foi o top 5 de hoje. Então gostaram um pouco de conhecer as músicas originais? Espero que sim.
Para ilustrar melhor, tem um vídeo antigo do Contos Anê que ela fala sobre estas músicas. Só fica faltando mesmo "Garota Alaranjada" que nem sonhava em existir na época.
Vou ficando por aqui hoje.
Beijos do Kyon!

Good Morning Call

terça-feira, 25 de abril de 2017

Vamos falar de mais doramas: sim ou claro? haha Enfim... Eu sempre demoro a falar dos doramas que assisto aqui no blog. Estamos no final de Abril e este eu vi no final de fevereiro, lá no meu mês grátis da Netflix. Alias, este dorama é produzido pela Netflix com a Fuji TV.
Falaremos hoje sobre Good Morning Call, que como todo bom dorama japonês tem que ser baseado em um mangá, de mesmo nome. =D
Temos dois adolescentes, Yoshikawa Nao e Uehara Hisashi, que acabam caindo em um golpe imobiliário e descobrem que alugaram o mesmo apartamento. O golpe só foi percebido no dia da mudança, quando eles compararam os contratos. Então, resolvem morar juntos, pois os dois não teriam condições de bancar um apartamento daquele tamanho sozinho, dividindo facilitava.
Eles inclusive são alunos da mesma escola e se descobrissem que eles moravam juntos podia haver expulsão para os dois. No começo é segredo, mas a Nao é doidinha e no fim o ciclo social todo deles sabe.
Alias, este dorama tem personagens maravilhosos. Meus favoritos são o Daichi-senpai e o Abe. Daichi é amigo de infância da Nao e Abe é o garoto que mais tomou foras de meninas na escola, já que ele se apaixona sempre e se declara sempre também. Pelo menos ele tenta!
Temos a Marina e o Mitsuishi que são os melhores amigos da Nao. Issei que é o menino do restaurante de ramen, onde Nao acaba trabalhando.
Se fosse um anime seria um shoujo slice of life mesmo. Tem todo o drama escolar, todo o romance que eu gosto de ver. Mesmo que algumas ações de animes me irritem em dorama, até que aqui é algo aceitável. Chega a deixa a Nao fofinha!
E posso confessar outra coisa? A legenda da Netflix tava com muitos erros e que me incomodavam direto. Bem, o Uehara e a Nao se chamavam pelos sobrenomes por conta da falta da intimidade. Quando era a Nao de boas, Uehara na legenda, mesmo que eu prefira até que coloquem a partícula de tratamento kun. E quando o Uehara ia chamar a Nao, ele usava Yoshikawa e aparecia Nao na legenda. AI MEU PAI! Sem contar erros básicos de japonês né? Nem lembro! E o pior era os "Não, Nao" e eu "buged" total.
Precisa revisar as legendas da Netflix. Na boa! Até uns erros de dorama coreano já peguei.
Deixando este problemas de lado, o dorama é maravilhoso! Eu cheguei a ficar triste quando acabou.
Nao é a típica mocinha de anime, Daichi é o nosso senpai mozão que faz a gente torcer por shipp errado (ou torcer para você ficar com ele), e Uehara é o típico cara arrogante de dorama/anime que a protagonista cai loucamente apaixonada, mas no caso do moço, ele é meio ressentido com algumas coisa, então essa arrogância toda é só fachada.
E sim, uma coisa em comum entre o casal é pudim. (E isto é um sinal para ver Hana Yori Dango.)
Mais um dorama que recomendo! 

Planner de Posts do Blog

sábado, 22 de abril de 2017
Olá, pessoal! Olha só se não é este mais um post sobre algo que tenha a ver com organização. haha Eu disse que uma das palavras de 2017 era "organização".
Já mostrei a vocês meu planner pessoal e agora também fiz um planner para os posts do blog.
Bora ver como ficou?
Primeiro de tudo, eu já tinha feito um caderno para colocar as ideias de posts. E ele é até antigo já, fiz ele ainda com a versão antiga do blog. E ele foi o caderno que fiz no DIY: Capa de Caderno Personalizado.
Nele, eu tenho marcadores com as categorias e as ideias daquele tópico são anotadas ali. É uma grande lista bagunçada de ideia, sinceramente. haha
Foto da capa dele.

Enfim, acabava que usava folhas soltas para fazer a lista de postagens programadas, mas sem data nem nada. E era algo terrível. Sempre me enrolava para fazer os posts e pulava uns porque tava com bloqueio para fazer ou porque tava com preguiça mesmo. Coisas assim!
Acabava que nunca seguia direitinho a ordem que colocava ali.
Então, já vendo com o Planner pessoal me ajudou e muito, resolvi fazer um para o blog também. Já tem pouco mais de uma que uso e tem dado certo. Olha, tá uma maravilha. Só olho a postagem que tenho que fazer e pronto. Não faço "o que dá" faço "o que tá programado". Bem melhor!
Deixa eu apresentar o Planner para vocês, todinho feito a mão do jeito que eu gosto!
Primeiro a capa! Com as letras desenhadas que eu sei fazer. E eu amo essa bonequinha que coloquei. (Tenho uma outra capa com ela. haha)

Na sequência temos um calendário do ano, para eu poder olhar as datas mesmo. Inclusive é o mesmo calendário que tá no Planner. E mais letras desenhadas, pintadas com lápis metálico. haha

À esquerda ficam as regras de postagem, fiz tudo a lápis mesmo porque eu garrancho por bobeira e só assim dá para consertar a cagada! Mesmo que a borracha possa cagar tudo mais ainda. But, it's ok!
Temos a quantidade de postagens por mês, algumas regras fixas para postar, como o dia da semana. Casos especiais de viagem ou o uso de "postagem coringa".
E também temos as categorias de postagens, elas são diferentes das que estão no blog agora. Eu vou fazer novas imagens de "tags para post" e definitivamente atualizar. (Deve dar para ler se ampliarem a foto.)
À direita temos a lista de postagens finalmente. haha Eu fiz uma tabela bem básica, aproveitando as próprias linhas do caderno. Coloquei as colunas: Dia, Título (da postagem), Categoria e Ok (para saber se ela já está no ar ou não.) As datas estão de caneta, já que são fixas mesmo, as duas colunas do meio a lápis, pois elas são passíveis de alteração e a última só recebe um check vermelho.
Já tem um tempo que tirei a foto, então por isso algumas postagens estão desmarcadas ainda. haha E provavelmente tem alteração em post ai também.
Fiz um vídeo para complementar tudo. Acho legal fazer um audiovisual também.


Bem, pessoal, este é o Planner de Posts do Ane-chan's Shizen?. O que acharam?
Eu adorei fazer e estou amando toda a organização que ele está me proporcionando. Vai ajudar o blog a ir mais e mais para a frente.
E se preparem que vai ter mais posts e vídeos deste estilo por aqui.

Resenha #31: The Wedding Eve (Mangá)

terça-feira, 18 de abril de 2017

Olá, pessoal! Cá estou com mais resenha aqui no blog. E sim, de mais um mangá e sim, mais uma oneshot. Porque a vida é melhor com oneshots. haha
Trata-se de The Wedding Eve de Hozumi. Vamos a sinopse e depois falo sobre.

Sinopse: “Só nós”, o tesouro mais triste e precioso de todos. Esta é uma antologia de histórias curtas que compila, além de “The Wedding Eve – A Véspera do Casamento”, outros cinco belos e emocionantes contos, artisticamente imbuídos de lirismo, fascínio e vivacidade.

Apesar de ser um mangá de "volume único", ele esta mais para uma antologia de histórias curtas de Hozumi, como diz na sinopse, sendo o principal The Wedding Eve.
Somos apresentados a várias história diferentes entre si, mas todas muito cativantes. Cada uma das história tem uma sensibilidade tão linda, que a gente lê quase num encanto. E mesmo que algumas sejam tristes, a gente ainda consegue sorrir. Tem coisas que tem sorriso mesmo na tristeza, por conta de lembrar-se com carinho do passado.
Vou citar cada uma das histórias, superficialmente claro.
A Véspera de Casamento conta sobre um casal de irmãos (e eu tava achando que eles eram casal) na véspera de casamento da irmã. Mostrando toda a ansiedade e em como o irmão foi carinhoso com ela neste dia muito importante para a irmão.
Reencontro em Azusa nº 2 é sobre uma menina e o seu pai, que só podem se ver apenas uma vez ao ano. (Se contar porque, é spoiler.)
Irmãos Monocromáticos é o reencontro de dois irmãos gêmeos e o tal reencontro acontece no velório de uma amiga de colegial, que faleceu em virtude do câncer. Os irmãos acabam saindo para beber e se perguntam, mesmo após a morte da amiga, de quem ela realmente gostava na época do colégio. Neste conto a gente vê como a vida pode mudar e em como a gente sempre fica se comparando uns com os outros.
O Espantalho que Sonha (Parte 1 e 2) também é sobre dois irmãos e onde a irmã também vai se casar. Porém, os irmãos estão afastados por outras razões e uns anos antes tinham apenas um ao outro, quando se mudaram para a fazenda do tios, após a morte dos pais. E o Espantalho foi uma fuga para a irmã, já que era o único momento de paz que tinham por ali, pois havia muitos problemas com os outros parentes. Eles realmente não se sentiam bem-vindos na fazenda.
O Pequeno Jardim de Outubro conta a história de uma escritor, com um bendito de um bloqueio. E ele encontra em um corvo e uma garota a inspiração para um novo livro.
E então... é continuação direta do primeiro conto, o irmão adota um gato e tudo é perspectiva dele. E é muito engraçado ver a visão felina sobre nós. Confesso que ele me lembrou muito o Shamisen de Suzumiya Haruhi no Yuutsu. =D
Recomendo o mangá até para quem não costuma lê-los. Sinceramente, daria uma série de episódios bem curtinhos. Uma delícia de leitura!

Bakemono no Ko (O Menino e o Monstro)

sábado, 15 de abril de 2017

Olá, pessoal! Tem quanto tempo que eu não falo de algum filme aqui no blog? E de um anime? Deve ter um bocado de tempo, tô numa época sem muitos animes atualmente, mas pretendo ver alguns que me interessam. Eu sinto saudade de ver anime!
Enfim, hoje vou falar deste filme que eu vi acho que em Outubro de 2016: Bakemono no Ko. Só de curiosidade, o filme é do mesmo diretos de Crianças Lobo, que já falei no blog: Mamoru Hosoda. Tanto que a primeira coisa que a gente percebe são os traços bem parecidos entre os filmes. Inclusive o menino é igualzinho o pai de Crianças Lobo. =D
O filme conta a história de Ren, um garoto de 9 anos, que perdeu a mãe e tem problemas com o pai. Ele acaba fugindo de casa e cruza com Kumatetsu, que é um monstro (com mistura de humano e urso) e leva o garoto para um mundo paralelo apenas de monstros, mas que se assemelha muito com o nosso chamado: Jutengai.
O menino passa a viver junto com Kuma e vira seu aprendiz, alias, mais um, mas o único de consegue treinar com ele.
Em Jutengai, dois monstros, um deles o Kuma, estão para disputar o título de líder do local, já que o atual, que é uma espécie de coelho está para sair dali e se tornar deus. (O que não é algo estranho de acontecer.) Porém, o rival do urso é muito mais popular e tem muito mais aprendizes. Então diz-se que ele é o favorito a ser tornar o novo líder. (Não é bem essa a palavra, mas foi o que encontrei para explicar.)
Anos se passam e Ren, quase adulto já, continua treinando com Kumatetsu e por conta disso a popularidade dele aumenta, então muitos querem vir treinar com ele.
Mas, ai, começam as tretas... Ren consegue voltar ao mundo humano, conhece uma menina e eles passam a se encontrar várias vezes pois o garoto se interessou em estudar. E claro que o garoto quer ter uma vida normal.
Nem quero contar tanto porque senão tira a quase do filme. É uma obra de fantasia maravilhosa e que trata tudo com tanta delicadeza, sem contar a arte maravilhosa da animação.
Só o final que eu queria que fosse um pouco diferente. Confesso!
Super recomendo!
E tem na Netfilx viu? Mas lá tá com o nome de "O rapaz e o monstro" e assistam com o áudio em japonês.

Vídeo: Drama de Baixinha

terça-feira, 11 de abril de 2017

Kyon #20: Vamos falar sobre feminismo?

sábado, 8 de abril de 2017
Olá, pessoal. Kyon aqui e desta vez para falar sobre um assunto delicado: Feminismo.
Entendo como um assunto delicado, pois é realmente complicado falar deste tema. Sei que vai ter gente que vai dizer que “não é meu lugar de fala”, ainda mais eu sendo um personagem masculino.
Na minha humilde opinião, homens podem sim falar sobre feminismo, porém sem tomar o lugar de quem tem “conhecimento de causa” e o “direito de fala”, que são as mulheres.
Não quero discutir sobre isso também, mas podem ter certeza que a dona desse blog já falou muito sobre isto aqui e nunca tomei o espaço dela. Aliás, ela quem me deu espaço para falar aqui. Outra coisa: será sobre meu entendimento acerca deste tema, portanto, não levem o que eu disser como regra, ok?
Afinal, o que é Feminismo? Segundo fonte do Google:

1. doutrina que preconiza o aprimoramento e a ampliação do papel e dos direitos das mulheres na sociedade.
2. p.met. movimento que milita neste sentido.
3. p.ext. teoria que sustenta a igualdade política, social e econômica de ambos os sexos.
4. p.met. atividade organizada em favor dos direitos e interesses das mulheres.

E é exatamente o que esta escrito acima, se trata de um movimento que busca igualdade entre os gêneros, lutando por direitos que já existem para o outro e não para elas, falando de forma binária, mas acho que outros gêneros se incluem nisso.
Entendo igualdade como todos serem tratados de maneira igual. Mas nós temos diferenças, como a altura, por exemplo. Então ser tratado também respeitando estas diferenças  e dá-se a isso o nome de equidade.
Sim, sei também que existem várias vertentes deste movimento e que as lutas delas são diferentes entre si. Bons exemplos são o Intersec, Liberal e o Negro. (Tem esse vídeo que pode lhes esclarecer melhor sobre estas vertentes. Anelise me indicou!)


E, usando a dona deste blog como base, concordo com o que pensa. (Ainda haverá um vídeo sobre feminismo.)
Buscar igualdade de salários, de oportunidades. E infelizmente, muitas das lutas feministas têm seus problemas localizados no machismo. (Talvez seja um dos maiores males do mundo.) Colocar as tarefas de casa e de criação dos filhos nas costas da mulher. Culpabilizar a vítima se ela sofre algum assédio dizendo que “ela estava pedindo”. Até as cores das roupas e os brinquedos têm relação nisso. (É algo tão enraizado...)
Sem contar os direitos que elas já conquistaram como trabalhar e votar.
Então, sim, feminismo é importante não só para as mulheres, mas para toda a sociedade, especialmente outras minorias. É uma luta por evolução e evolução é o caminho!

Precisamos falar sobre... #9: Vídeos da Marcela Tavares

terça-feira, 4 de abril de 2017

Olá, pessoal! Como vão? Pois é, meu dedinho acabou coçando de novo e eu deixei o meu cronograma de postagens um pouco de lado para poder falar sobre este assunto, já que ele entrou em evidência na minha timeline do facebook.
Trata-se dos vídeos da série Não Seja Burro da Marcela Tavares. A série já tem um relativo tempo já, sendo seis vídeos no total. Vou deixar o primeiro para ilustrar e continuo depois.



Admito que me identifico com a situação retratada no vídeo, até porque eu tenho um Pedantismo Gramatical em um certo grau. E me identifico e muito com o rage que ela dá. Porque eu dou rage em algumas situações da vida, é minha forma de extravasar a raiva.
E sim, dei risadas com o vídeo, porque me identifico mesmo e tem hora que ela bate com tanta força no quadro que o cenário chega a cair. OVERACTING APENAS!
Alguns vieram falando que o vídeo reforçava o Preconceito Linguístico, concordo nesse ponto, até porque também estudei Sociolinguística, como uma pessoa fez questão de ressaltar num comentário. Alias, foi uma das matérias que mais amei no meu curso de Letras, me fez entender o quanto a língua é viva e muda constantemente apenas por seu uso pelos falantes. Ainda com a "Lei do Menor Esforço" que nos faz emendar as "palavra tudo".
E disseram que ela queria enfiar a norma padrão goela abaixo das pessoas, humilhando quem sabe menos e não teve oportunidade de estudar.
Concordo com todos os argumentos usados. Mas sabe o que eu enxerguei ao ver esse vídeo? Como se ela estivesse falando com uma pessoa que viu isso umas quarenta vezes na vida e mesmo assim ainda comete o erro.
Eu penso nos colegas de faculdade que estudam comigo e fazem essas coisas.
Não quero dizer que as pessoas tem que ser gramáticas ambulantes. Não é isso! Mas ter uma boa noção da língua escrita e não errar coisas básicas, como as faladas nos vídeos.
Sei dos problemas de educação que tem no país e outros pontos que as pessoas levantaram.
Lembro bem, na infância, quando minha vó deixou um bilhete e eu lembro claramente de uma palavra, que parei um tempão durante a leitura tentando decifrar o que era. E sabe o que era? "Quando", mas escrito "condo". Eu devia ter uns 9 ou 10 anos e só achei aquilo um pouco estranho, mas eu sabia bem que minha vó não tinha muito estudo.
Mas, teve um outro caso que me marcou, mais ou menos na mesma época. Para quem não sabe sou espírita desde os 9/10 anos. Enfim, eu frequentava a Evangelização Infantil aos sábados (e atualmente estou do outro lado da coisa, dando aula haha). Num dia das mães fizemos uns quadros de presente para dar, embrulhamos num envelope de papel pardo e deveríamos escrever nosso nome e de nossa mãe. Eu fiz a tarefa tranquilamente. Como já tinha acabado, fiquei esperando liberarem e ai, fui prestar atenção na menina do meu lado e vi que ela estava copiando do meu. E ela colocou "De: Anelise". Eu, naturalmente, falei: Você tem que colocar o seu nome e da sua mãe. Mas ela não sabia fazer isso e eu ajudei, ditando para ela o que deveria escrever. Ela tinha a mesma idade que eu! Não sei se estudava, nem lembro, mas se estudasse não tava adiantando muita coisa, infelizmente.
E outra coisa que pergunto, por curiosidade apenas: E se não tivesse uma "Norma Culta Padrão"?
Imagina se cada um escrevesse da forma que achasse que as palavras se escrevem. Só consigo imaginar um enorme bagunça para se entender algum texto escrito. Mesmo que algumas vezes sendo inclusas meio atrasadas, as regras servem para todos seguirem uma mesma linha e organizar o que já existe. (Eu sei que bicicreta e brusinha já foram "padrão" num passado.)
Em questão de fala, eu não vejo tanto problema, porque a linguística me ensinou que a mensagem tem que ser passada, não importa como, palavras "erradas" inclusas.
Os vídeos são uma forma de como não ensinar português.

Mirror of the Witch

sábado, 1 de abril de 2017

Mais dorama aqui no blog. haha O que posso fazer se gosto não é?
Falarei hoje sobre Mirror of the Witch, que vi na sequência do último dorama falado aqui. Só de ter lido a sinopse já corri para assistir o primeiro.
O dorama tem a dose certa de épico e fantasia, o que é um ponto positivo.
Tudo começa no palácio, cujo reino que esqueci o nome, onde a rainha tenta engravidar mas não consegue. Então, se utiliza de métodos ilegais para conseguir engravidar, com ajuda de uma xamã (Hong Joo maravilhosa), usando magia negra. No caso, eles usaram uma sacerdotisa para dormir com o rei e engravidar e depois passariam o bebê da barriga dela para a da Rainha.
O plano dá certo, mas a sacerdotisa profetiza que serão gêmeos e que eles serão amaldiçoados.
Enfim, nove meses se passam e sim, nascem gêmeos, uma menina e um menino.
A Xamã pega a maldição e transfere apenas para a garota, já que eles queriam ficar com o menino (coisa da época mesmo) e a menina seria morta num ritual de purificação, mas que poderia ser feito pelo Monge Taoísta, que é rival da Xamã. Porém, eles tem uma relação antiga e o Monge aceita fazer o ritual. O que ninguém sabe é que ele não matou a menina e sim a escondeu numa casa na floresta.
Dezessete anos se passam e começa a rolar a treta.
A menina, que se chama Yeon Hui, descobre da pior forma a sua maldição e que ela afeta as pessoas que mais gostam dela. E Hong Joo não vai deixar ela viva assim tão facilmente. Ela quer acabar com a garota.
A partir dai, começa a guerra entre as duas. Uma para quebrar a maldição e a outra querendo que o reino se afunde mesmo (a Xamã no casa). Isso mais a segunda fase, que ela tem que acender as velas realizando os desejos das pessoas.
Os elementos de fantasia são muito bem encaixados. Tem efeitos especiais e de computação bem feitos. Uma história que te deixa preso do início ao fim. Claro que tem a dose de romance que todo dorama tem, mas num épico ele fica como algo secundário em alguns momentos.
O casal principal é um amorzinho, que são Yeon Hui e a Heo Joon, que é só um plebeu mesmo.
Mas o melhor casal deste dorama para mim, de longe, são Hong Joo e Choi (Xamã e Monge). Eu me via shippando-os loucamente durante os episódios e achei o final deles MARAVILHOSO. Não tenho melhor palavra! E juro que escreverei algo inspirado neles. De verdade!
O final do casal principal foi muito, mas muito, O Tempo e o Vento, que é uma série de livros, mas teve filme. Gente, o final é basicamente no mesmo estilo. Vou deixar a cena, mas claro que tem spoiler né? haha
Enfim, é mais um dorama que recomendo para vocês. Não quis contar muito porque o dorama perde metade da graça se eu contar a história. Pincelei bem!
Alias, esqueci dizer que o Choi é interpretado pelo mesmo ator do RAK de Jealousy Incarnate. Imagina o grito que eu dei. Tipo: É O RAK! QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO AÍ?
Até a próxima!

Top 5 #26: Filmes Disney (Animação)

terça-feira, 28 de março de 2017

Olá! Como vão? Espero que bem!
Enfim, mais um Top 5 aqui no blog e dessa vez sobre um tema que tinha meses que eu tava louca para fazer, alias, desde que comecei essa seção do blog: Filmes da Disney.
E acho que seria injusto ter que escolher dentre todos os filmes (animação e live-action), então resolvi dividir. Num futuro teremos os meus favoritos da Disney com atores. haha
Bora lá para o top de um vez né! Aviso: Muitos filmes dos anos 90. Aviso 2: Farei um Top com os filmes produzidos pela Pixar depois.

5- Aladdin / A Bela e a Fera
E a gente já começa com o pé direito né? Ainda mais falando de Disney. haha
Aladdin gosto por conta de ser um dos poucos filmes que tem protagonismo masculino. Alias, adoro a história do film e o gênio também, é claro.
A Bela e a Fera só vi por ser um dos filmes favoritos de uma das minhas amigas de ginásio. Fui ver já com uns 13/14 anos e amei tanto. E tô louca para ver o Live action deste ano. Algo que farei sozinha.

4- Alice no País das Maravilhas
Eu passei boa parte da minha infância vendo este filme. Só fui conhecer e ler o livro mesmo mais velha. Quando somos crianças nem nos importamos de que tem o livro.
E, após a leitura dos livros, percebi o quanto a obra é bem adaptada. Mistura um pouco dos dois livros? Talvez. Mas tem vários detalhes que são repetidos iguaizinhos.

3-  A Bela Adormecida
Este eu gosto só por causa das fada e da Malévola, é claro. A dublagem da minha fita VHS era um ponto a favor. Eu amava aquelas vozes doidas das fadas.
Eu gosto mais por me lembrar a infância mesmo.

2- Planeta do Tesouro / Lilo & Stitch
Planeta do Tesouro, que é um puta filme underground da Disney e que praticamente poucos viram, é realmente um dos meu favoritos. Eu sempre tenho vontade de ver. Eu amo o Jim, o protagonista do filme, a temática espacial, os outros personagens. Esse filme é maravilhoso! Sem mais!
Lilo & Stitch é um dos filmes mais reais e amorzinho da Disney. (Recentemente, reassisti na Netflix.) E cara, Nani e Lilo são as melhores irmãs (Perdão, mas Elsa e Anna passam longe delas), tem a diferença de idade e os problemas delas serem orfãs e Nani estar quase perdendo a guarda da irmã. Não como ser mais dramático que isso.
Stitch é a coisa mais fofa. Um dos meus mascotes favoritos da Disney. Eu tenho uma pelúcia enorme dele.
E claro, David, peguete da Nani. OH KAMI-SAMA!

1- Pocahontas / Mulan / Moana
Por que o primeiro lugar do Top 5 não teria mais que uma opção, não é mesmo? Ainda mais se tratando de mim. Eu disse diversas vezes e não é novidade para ninguém que meus filmes favoritos da Disney são Mulan e Pocahontas. Por conta das temáticas feministas? Pode até ser.
Mulan foi o primeiro filme que eu vi num cinema, lá em 1998, com 5 anos. Pois é, tô velha! Mas ele foi virar favorita mais pra adolescência mesmo, por eu ver como a Mulan é maravilhosa!
Pocahontas era realmente o filme que mais assisti na infância. Meu VHS tá sofrido, coitado.
E Moana entrou na lista depois que eu sai do cinema. Amei Moana, quem não viu ainda, assista, pelo amor das divindades.

Bem, pessoal. Esse foi mais um Top 5. E quais são os filmes de animação favoritos da Disney de vocês? Comentem ai!