Tag: Cálculos

terça-feira, 29 de março de 2016

Hey, Minna-san! Hoje é dia de tag.
Essa é daquelas que eu deixo guardadas para fazer depois. Então confiram mais esta tag aqui no blog.

Adição: Um livro que você adicionaria fatos:
Destemida. Só para ter mais páginas em cada volume. Eles passam muito rápido!

Subtração: Um livro que você tiraria fatos:

Quando o coração escolhe. Fica difícil citar, é muita coisa.

Multiplicação: Um livro com personagens gêmeos:
As Super Agentes. Sim, temos Seiya e Yui. Os melhores gêmeos EVER! =D

Divisão: Um livro que tem a personagem com a mente dividida - dúvidas ao fazer escolhas: 
Makoto de O diário da escrava amada. Já disse diversas vezes que ele vive entre o que realmente quer e o que as pessoas esperam que ele faça.

Raiz quadrada: Um livro com personagem que quer ser mais do que realmente é: 
O "belíssimo bailarino" de Brilhos. Tem muito tempo que eu li, não lembro o nome dele. Quando ele aparece ele é toda mara, gostoso, mas depois a Nonnie desencana dele, porque ele tem um beijo bem sem sal. Mas o cara ainda se pega de gostoso!

Porcentagem: Um livro que tinha tudo para ser bom e não foi:

Poderosa 6. Quem acompanha o blog sabe a minha frustração com esse livro. Pegando minha série favorita e jogando no fundo do poço.

Pi (3,141519...) : Um livro que não teve final concreto:
Maioria dos livros que li tem um final assim, mas foi citar A Megera Domada só por numa ter citado em tag. (Capa da versão que li.)


Diferente: Um livro com final inesperado:
Garota Replay. Sério! Não esperava aquele final.

Delta: Um livro com um triângulo amoroso:
Entre Vidas: Kiara. Temos Dárien, Kiara e Leran. Mas depois desfaz! =D


Igual: Dois livros parecidos:
Citarei mangás aqui: Akkan Baby e 17 Sai no Mama. Os dois falam sobre gravidez na adolescência e abordam a coisa de forma um pouco romântica. Então, é bem parecido.

Bem, pessoal, essa foi a tag. Espero que tenham gostado! =D
Até uma próxima!

Top 5 #16: Apps favoritos e desconhecidos do meu celular

sábado, 26 de março de 2016

Hoje temos um Top 5 em vídeo. Gostei dessa forma diferente de fazer e passarei a fazer alguns assim.
Então, quais os aplicativos favoritos e desconhecidos o meu celular? Confiram ai no vídeo!

Um pouco de cada coisa

terça-feira, 22 de março de 2016

Quem me conhece sabe que eu gosto de coisas que são completamente diferentes entre si. E cada uma dessas pequenas lá no fundo, além de me inspirar, também completam quem eu sou.
Eu sou a mistura de todas elas em um enorme caldeirão. Existem momentos em que sou asiática ou europeia, até sul americana. Misto de culturas e influências de uma vida ou até de várias vidas inteiras.
Muito difícil eu ser fechada em apenas um pensamento. Consigo olhar e entender o todo, entender cada ponto de vista. Porque eu sei ser vários sem deixar de ser eu. Porque eu escrevo, porque eu interpreto, porque eu realmente me envolvo com o que faço.
Estou sempre observando e absorvendo o máximo que posso, para que possa ser usado em alguma crônica, em uma história, qualquer coisa.
São essas influências que me misturam, que me mesclam e que me fazem ser essa maluquice que eu só. Mas eu fosse uma coisa só não ia ter graça né?
Melhor doida e colorida do que monocromática e sem graça!

Kyon #4: Inspirações para Mate-me se for capaz

sábado, 19 de março de 2016
Olá, pessoal! 
Olha o Kyon aqui de novo. Dessa vez, no post de hoje, falarei sobre a minha única (grande) história até agora: Mate-me se for capaz.
No extinto Blog do Kyon já falei sobre ele, mas vou renovar aquele post. Acho válido!
A história é minha primeira experiência como escritor. E é bem diferente quando é você mesmo quem tem que sentar e escrever. Passo maior parte dos meus dias observando outra pessoa escrever. Até achei que fosse ser molezinha quando fui começar, mas não é.
Tem hora que a escrita não flui de jeito nenhum, exatamente como acontece com as postagens que escrevo.
E bem, acho que todos nós, autores, usamos alguma inspiração na hora de passar tudo para o papel, não é? Enfim, quais foram as inspirações para Mate-me se for capaz? Contarei agora.
Primeiro de tudo, a ideia inicial foi doada pela Anelise. Obviamente que eu fiz as minhas alterações.
Passei do contexto medieval do original para os nossos dias. O que era uma briga por um trono virou por uma herança. E assim comecei a desenvolver.
E por que esse nome? A principal e sua madrasta vivem em uma eterna briga de gato e rato. A jovem tem que fazer tudo para se manter viva, porque senão, a safada da madrasta fica com a parte da herança.
E aí é que entram as influências de As Super Agentes... Assim como elas são fortes na Anelise, são fortes em mim.
O tio da garota contrata um ex-agente para ser o guarda-costas dela. O rapaz fez uns serviços bem parecidos com os que as Super Agentes fazem.
Tem um pouco de cada coisa da minha protegida que eu li até hoje. As cenas de ação, as de romance e os momentos de comédia completamente fora de hora, mas que encaixam bem de alguma forma.
Eu já tenho o final bonitinho na minha cabeça. Só tenho que largar de preguiça e escrever mesmo. (Kyon também é preguiçoso! ahah)
Bem, segue uma divulgação da história. Quem quiser ler, fique a vontade.
Vou ficando por aqui hoje.
Beijos do Kyon!

Mate-me se for capaz
Sinopse:
Lexi Aspen Donovan é uma garota de seus 19 anos, vive com o pai, a madrasta e o meio-irmão. Perdera sua mãe biológica quando era criança. Seu pai é muito rico e é dono de uma empresa bem sucedida.
A família vivia feliz até pouco depois do 19º aniversário de Lexi, quando a madrasta matou o marido envenenado, pois ela sempre teve interesse pela fortuna dele.
Porém, a leitura do testamento dava maior parte dos bens do falecido a sua filha mais velha. Lexi se tornou o próximo alvo da perversa madrasta. Sem ela no caminho, toda a fortuna seria de seu filho com o falecido.
Lexi sabe bem quem foi que matou seu pai e de todo o perigo que corre, então contrata uma pessoa para protegê-la: Aiden Levi Memphis, um ex-agente secreto.
O dever do rapaz é evitar que Lexi seja assassinada até que a fortuna seja entregue a ela.
Nyah Fanfiction


Ookami Shoujo to Kuro Ouji

segunda-feira, 14 de março de 2016

Anelise vai falar de mais um anime para vocês. Dessa vez um shoujo. Não é só de yaoi que eu vivo. Se bem que não ligaria de viver só disso. haha
Falarei sobre Ookami Shoujo to Kuro Ouji. Traduzindo: Garota Lobo e o Princípe Negro.
O anime conta a história de Shinohara Erika, uma estudante do colegial que mente para as amigas dizendo que tem um namorado, mas não tem. Eis que pedem uma foto do tal namorado que a Erika tanto fala. Então, ela tira foto de um garoto aleatório que achou bonito na rua.
Qual não foi a surpresa dela ao perceber que o garoto em questão estudava na mesma escola que ela: Kyouya Sata.
Ele descobre sobre a mentira da garota, concorda em ajudar a mantê-la, com uma condição: ela passaria a ser tratada como um bicho de estimação.
Apesar dessa proposta maluca e do Kyouya-kun ter horas para ser um filho da puta e eu passar muita raiva, o anime é legal!
É aquela comédia romântica e shoujo que me agrada e me faz assistir uma temporada inteira em um dia. Só não o fiz porque acompanhei o lançamento do anime com episódios novos semanalmente.
Por muitas vezes, senti pena da Erika por ter se enfiado nessa furada. Mas foi um pouco de burrice dela também. Ela alimentava uma mentira para ser melhor aceita por suas colegas de classe. Especialmente: Marin Tachibana e Aki Tezuka.
Acho que a personagem mais é a melhor amiga da Erika, Ayumi Sanda. Gosto muito dela!
Bem ou mal, o Kyouya-kun, lá no fundo é um bom moço. Só que ele é extremamente sádico! Ela faz algumas coisas com a Erika por pura diversão.
No começo, eles se estranham, se engalfinham, mas depois até viram um casal legal!
(Claro que o Kyouya nunca será Usui nessa vida né?)
Um anime que rende boas risadas e cenas desesperadoras (daquelas "se beijem, pelo deuses") de romance.
Eu cheguei a ler o mangá porque fiquei louca para saber como a história desenrolaria, só não cheguei a terminar, até porque ainda tá em lançamento, mas eu gostei bastante.
Super recomendo! :3

Resenha #22 : Tenshi - Um anjo sem asas

sábado, 12 de março de 2016

Anelise trazendo mais uma resenha para vocês (Com um plus de vídeo, porque sim).
De mais um livro que comprei na bienal do ano passado e peguei autógrafo com a autora. Até sigo o canal dela no youtube agora. Tem resenha de mangás, o que eu posso fazer? haha
Após a sinopse, minha humilde opinião sobre o Tenshi.

Sinopse: Seria ele um anjo?
Que outra explicação teria para aquele garoto surgir do nada em seu caminho, caído, ferido, frágil e desmemoriado, bem na noite de um tradicional festival?
Ao encontrá-lo, a possibilidade de ajudá-lo se torna um escape para Umi, uma adolescente que enfrenta no dia a dia as dificuldades de ser diferente.
E assim ela acaba, sem perceber, se envolvendo em um novo sentimento. Enquanto se esforça para descobrir quem é o misterioso garoto desmemoriado, os acontecimentos inesperados daquele verão também levam Umi a descobrir mais sobre si mesma.

Gente, essa é mais uma resenha que eu nem sei por onde começar. É tanto amor que tá complicado!
Sabe, Tenshi é um livro que eu já sabia que ia gostar, no momento em que li o primeiro capítulo no wattpad, numa das primeiras vezes que eu entrei lá. Como diz uma frase minha (ou de muito mais gente): Às vezes, você encontra os livros. Outras vezes, os livros encontram você.
Pois é! A Umi-chan me encontrou e é claro que eu quis logo ser amiga daquela gaijin super fofa.
E cara, tem tantas referências aos animes e ao próprio Japão. Ele mostra um lado diferente do que foi apresentado em A Espada de Kuromori. (Que eu amei também!)
Natsuo Umi é uma adolescente de 15 anos. Ela é japonesa porque foi adotada por um casal japonês. E os pais dela são um amor.
A pobre sofre muito bullying por ter uma aparência estrangeira, com seus cabelos loiros e olhos azuis. (Tsukino Usagi? Nem um pouco. Imagine!)
O livro conheça no dia do Tanabata Matsuri, entre julho e agosto, onde a Umi sofre mais um ataque das colegas de classe durante o festival e sai correndo. Eis que, ela tropeça em algo e cai no chão. Ao ver, é uma pessoa! Um menino, a quem deu o nome de Aki.
O garoto não sabe quem é e nem como veio parar ali, então Umi passa a ajudá-lo a tentar se lembrar de tudo isso.
E também muitas outras coisas acontecem no caminho.
Além de ter me apaixonado pela Umi, me apaixonei pela Natsu, pela Kaori e pelo Shimada-sensei. (É o BIAS!) . O Aki é um amor, até o momento em que ele se lembra de tudo. Mas ainda bem que ele cai em si.
O livro tem tudo o que um otaku gosta: romance, cultura japonesa, personagens cativantes. É um shoujo em livro! Só falando assim. Além de um pouco de ação mais lá pro final, porque rolam umas tretas.
Gente, tá complicado passar o que eu achei esse livro. Não consigo encontrar defeito, só na diagramação na parte do encaixe das figuras com o texto. Só que é um mero detalhe!
O livro flui e tem uma leitura leve e divertida. E cada capítulo que termina, a gente quer continuar e ao mesmo tempo, não quer que acabe.
Terminei a leitura querendo começar de novo! De verdade!
Tenshi entrou para mais um dos meus favoritos. E eu já sabia disso, assim que li o primeiro capítulo. Eu só queria saber o resto da história mesmo.
Tenshi: Super recomendo! =D
A minha foto com a Lu lá na Bienal.


E a resenha em vídeo! :3

Meu primeiro conto yaoi

terça-feira, 8 de março de 2016
Eis-me aqui, de novo, para falar de algo novo que escrevi.
Quem me conhece por aqui no blog, sabe o quanto eu sou apaixonada pelo gênero yaoi. Para os mais leigos: Temática homossexual dos animes.
E sim, tem poucos anos que me descobri apaixonada por histórias assim. Eu já li algumas tantas do gênero e descobri muitas coisas que me incomodavam. Não seriam clichês, mas alguns detalhes sobre os personagens que me incomodam muito por serem mais usados. Vou listar uns exemplos:
- Seme (ativo) "maior" e uke (passivo) "menor". (E ainda usam os adjetivos para falar deles);
- Seme "machão", uke "afeminado";
- Seme possessivo/ciumento;
- Uke frágil, sempre precisa de proteção (na visão do seme);
- Apenas ter personagens gays;
- Não ter personagem feminina na história;
Tem mais, mas diria que são os principais. Obviamente, tem coisas que eu gosto, semes loiros, por exemplo.
E de onde veio a ideia do conto?
Ano passado, surgiu um projeto chamado ABC do Lemon. Ele consistia de diversos autores, cada um escrevendo um conto usando um subtema dentro do yaoi, esses temas seguiam a ordem alfabética.
A minha pessoa escolheu a letra A, de Ativo. O que isso significa? Bem, quem narra a história é o "ativo" da relação, o Capitão. haha Mas tem uma outra relação que só dá para saber quando se lê.
E essa história tem tudo ao contrário do que eu não gosto. É um romance com umas duas cenas picantes, de um lemon "malaveloso". Porque tem que ter lemon sim!
Admito que não chega a aparecer personagem feminina, mas tem algumas mulheres citadas no decorrer da trama.
E como o ABC do Lemon não foi para frente, a história estava desde o ano passado mofando no meu computador. Uma bela manhã de sol, o arquivo me olhou quase dizendo: Me posta! E foi o que eu fiz.
Posso dizer que não é melhor yaoi do mundo, mas como todas as coisas que escrevo, ela também carrega o meu amor.
Segue a sinopse e os links para conhecerem a história de Steffen e Bryant. =D




Steffen é o capitão do Queen Andromeda, um navio que viaja sempre entre as Américas e a Europa, transportando enormes cargas de mercadoria. Por anos, o homem de meia idade era do mar. Nunca tinha se envolvido com alguém novamente por conta de um trauma em seu passado... Até a chegada de um novo marujo: Bryan.

Nyah | Wattpad




Pessoas que me inspiram: Tammy Luciano

sábado, 5 de março de 2016

Tem um tempão que eu não trago postagem dessa "categoria". Mas, agora eu voltei.
E continuaremos com os autores.
Dessa vez é uma autora que tive o prazer de conhecer na Bienal do Livro em 2015: Tammy Luciano.
O único dela que li até hoje foi o Garota Replay, mas comprei o Escândalo e lerei o mais breve possível. (Vide que a fila tá grande.)
Mas mesmo conhecendo pouco da autora, gosto muito dela. Então, no que ela me inspira?
Como autora assim como eu, me inspira a sempre acreditar nos meus sonhos e nos meus escritos. E também conseguir o apoio da família.
Me inspira como pessoa, em todo o seu jeito super divertido de ser. Simpatia em pessoa!
E como autora? De escrever o que me dá vontade, de escrever sonhos, mesmo que eles sejam loucos, assim como as da Thizi. E nunca mais parar.
Além do fato dela ter cursado jornalismo também. haha
Espero que um dia estejamos sentadas juntas autografando livros, ou até dando uma palestra. Não sei!
Tammy Luciano, sua linda!! :3


Top 5 #15 (Kyon #3): Melhores casais de Anelândia

terça-feira, 1 de março de 2016

Olá, pessoal! Aqui é o Kyon. Como vão? Eu espero que bem! :3
Lembram que eu disse que as categorias fixas do blog teriam postagens minhas? Então, nada melhor do que começar com um top 5. E o melhor de tudo é que sobre Anelândia. Digamos que sejam o segundo maior conhecedor de lá.
E homenageando o 1º top 5 feita pela Anelise aqui, falemos de casais. Os casais de Anelândia!
Quais são os melhores? Vocês vão descobrir.
Ikuze! (Significa "vamos!")

5- Steffen e Bryan (O Capitão e o Marujo) / Rin e Namie (O diário da Escrava Amada)
Esses são os primeiros casais homoafetivos que ela criou. Acho que eles merecem um espaço. Assim como Anelise: Acho justa toda a forma de amor! Amor é amor!
O primeiro casal é do primeiro yaoi que ela escreveu, ela vai contar mais em breve. Mas eles são só amor nessa vida. haha
Já o segundo é um casal secundário, mas uma das personagens é uma das mais importantes da história. Quem lê a história vai saber! =D
Apenas foto dos meninos, porque Anelise precisa criar vergonha nessa cara e fazer do outro.

4- Steven e Victoria (Mutsu Ike) / Mark e Caille (Mago Belo)
Casais desconhecidos porque são de história não postadas online.
Steven e Victoria são os pais adotivos do protagonista Mutsu Ike. Eles são um casal de cientistas que estão pesquisando uma cura para um doença no mundo deles, doença essa que deixa crianças orfãs de mãe.
Mark e Caille era para ser um casal alternativo, mas acabou canônico. Caille é personagem da amiga dela: Ingrid. Ela fizeram um RP entre os dois personagens e acabou ficando assim. Um mago de água e uma maga de gelo. :3
Apenas foto do segundo!

3- Kazuko e Makoto (O Diário da Escrava Amada)
O que dizer deles? A história que Anelise se mantém mais focada atualmente, por conta de quantidade de leitores. Um boa meia dúzia. haha
Um casal que se conhece de um jeito estranho e perturbador, mas que com o passar do tempo acaba se apaixonando.
Como não amar essa escrava e essa dono? (Como não tem foto deles juntos, vai a da capa mesmo.)

2- Jimmy e Samira (As Aventuras de Jimmy Wayn) / Caterine e Will (A Filha de Conselho)
Aqui já entram os que tem um lugar especial no coração.
Jimmy e Samira são aquele casal de melhores amigos antes de qualquer coisa. Eles tem um enorme companheirismo um para com o outro. E tem só alguns momentos de casal, os outros são de amizade. (Isso segue aquele pensamento: Amigos e namorados.)
Will e Caterine são o extremo oposto disso. Durante uma viagem surge uma paixão entre eles e do mesmo jeito que surge, também é interrompida. Porém, nenhum nunca esqueceu do outro. Outra coisa boa desse casal: Eles caem na porrada! (Aka MELHOR CENA DO LIVRO)

1- Seiya e Anelise (As Super Agentes)
Acho que esse aqui não é surpresa alguma para ninguém!
O primeiro casal tem quase o coração inteiro só para ela. Brinks!
Este aqui, assim como Anelise, considero OTP. Para a vida toda!
Eles demoram anos e mais anos para finalmente ficarem juntos. E sofrem muitos rolos e problemas para tal. Melhores brigas e melhores cenas românticas são deles.
O casal que seria "meta de vida". Uma ex-agente e um garoto youkai. (Sim, tem youkais em ASA.)

Bem, pessoal, esse foi o primeiro Top 5 comigo. Espero que tenham gostado!
E deu para perceber que sofro do mesmo problema de indecisão para escolher apenas um para cada posição. Eu fiz o melhor!
Até a próxima!