Pressão por ser escritora

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Devem estar se perguntando: Anelise, que diabos de título é esse? Calma que eu explico!
Sabe quando tem aqueles eventos ou até uma simples reunião de família.
Eventos me que se deve escrever em algum momento, e as pessoas sabem que você é escritora ou quando a sua família descobre sobre seu dom literário.
Aí todos eles já montam uma expectativa acerca de você. Que vai sair o melhor texto e com a escrita mais impecável. Ou eles passam apenas a observar as suas simplesmente tudo o que escreve, até aquela postagem da zoeira em que se escreve errado propositalmente.
Essa é a pressão de ser escritora. Ter diversos sempre de olho. Só que há dias em que a vem uma trava, um bloqueio, ou não sai nada ou quase nada. O pouco que vem é uma bela de uma porcaria.
Ou quando você se arrisca em algo que não é lá tão "a sua praia". 
Ainda lembro o dia em que num desses eventos de espírita, tivemos que fazer uma poesia. Acho que é claro para todos que eu sou prosista, exatamente o oposto.
Então começou aquela: Ah, mas ela é escritora. Vai sair coisa boa.
E aí, eu acabo me pressionando, como se já não fizesse isso normalmente, por conta de mais um expectativa em cima de mim. É eu fico: Tem que ser um texto bom. Tem que ser um texto bom.
E sabe o que acontece? Acabo escrevendo um texto ok (eu tô ouvindo muito nerdcast), mas que eu simplesmente acho que está uma merda.
Escrever para mim é algo muito natural e solitário. Eu só sendo e deixo a minha imaginação me levar. O único compromisso que tenho é agradar a mim mesma. Se eu estiver sorrindo, sei que o texto será bom. Porque eu sempre coloco um pouco de mim no que escrevo.
Claro que existe a pressão pessoal, como disse um pouco mais acima, porém, ela é mais branda, mais de boas. Justamente de ser de mim para mim. Só eu sei o que passo para escrever, se eu tive um mal dia, um bom dia, etc. Coisas assim alteram a inspiração de uma forma.
Então, se existe algum escritor na sua vida, por favor, não fique exigindo ou levando altas expectativas sobre os escritos dele. Tem os bons dias e os maus dias, é assim com todo mundo.
Deixo-o com o seu precioso momento de escrita, onde ele fica lá na dele. Não pergunte, não queira ler. A não ser que ele permita que isso seja feito.
Ele já pressiona o suficiente sozinha, não há necessidade de mais um estímulo externo.

2 comentários :

Ricardo Biazotto disse...

Entendo bem essa pressão que você comentou. Confesso que isso não é frequente, porém sempre que acontece a pressão é enorme e o resultado final nunca sai como o planejado. Por trabalhar na maioria das vezes com "regras", acho que sempre que fujo disso o resultado final fica bem aquém do esperado, o que é problema muito grande. O que não deixa de ser horrível. :(

Beijos,
Ricardo - www.overshockblog.com.br

gih disse...

Oi Ane. Sei bem como é isso. Eu odeio pressão de qualquer lado :( de qualquer jeito :P Mas confesso que me pressiono bastante :(
Fazer oficinas as vezes é chato por causa disso também. Dai seu coleguinha do lado diz: mas seu texto será bom, você já publicou livros.
Mas a oficina te faz ir onde você não tinha ido ainda então, você não sabe o resultado....
Beijooos
http://profissao-escritor.blogspot.com.br/