Ikoku Irokoi Romantan

terça-feira, 31 de março de 2015

Vamos falar um pouco de anime hoje. E com boa, porque eu sou Fujoshi e sim, para ser feliz tenho que assistir uns yaois de vez em quando. Quantas vezes não pego um mangá yaoi curto ou um OVA yaoi para ver? Pois é, várias vezes faço isso!
Mas indo direto ao assunto, hoje falarei sobre Ikoku Irokoi Romantan.
Ouso dizer que é um dos meus favoritos, o segundo favorito, porque nada supera Ai no Kusabi no meu coração.
O OVA/anime conta a história de Ranmaru, japonês, membro de uma das famílias que fazerm parte da Yakusa e Alberto Valentino, um italiano que é um amante da cultura nipônica. Eles se conhecem durante uma viagem de cruzeiro. Alberto está a trabalho, como capitão se não me engano. Ranmaru foi parar ali por conta do seu casamento e lua-de-mel, obviamente tudo arranjado, ele odeia a noiva dele.
Alberto se encanta por Ranmaru, porque ele fica andando por ai com a roupa tradicional e com fundoshi (roupa intima) por baixo. (Os olhinhos do Alberto brilham quando ele vê. hahaha)
Acontece o casamento e na noite de núpcias Ranmaru sai do quarto para beber no bar. Ele tava quieto no canto dele quando um dos convidados, que gosta da noiva dele, veio tirar satisfação com ele. Acontece uma briga nessa situação e Alberto ajuda Ranmaru a acabar com eles.
Depois disso eles ficam ali bebendo e conversando... Até que o Alberto leva Ranmaru para o quarto e pela lógica vocês sabem o que rola. (O lemon que faz surtar pelo resto da vida.)
Eles se despedem no dia seguinte como se não tivesse acontecido nada. Ranmaru volta para o seu grupo e como eles vão estão na Itália, vão fazer uma visita a uma vinícola.
Só que o japonês é muito impaciente e fica no ônibus para esperar os outros. Por eles estarem demorando, eles desce do veiculo e é deixado para trás. Só resta a Ranmaru caminhar de volta ao hotel. E durante o caminho, sua sandália arrebenta e quem ele encontra vindo? Sim, Alberto Valentino.
Enfim, Alberto leva Ranmaru de volta e marca um encontro com ele em um local mais distante, só que ai, Ranmaru é raptado e vai ser leiloado como escravo. (ou algo do gênero)
Cabe ao nosso seme loiro e gostosão (Alberto) salvar o Ranmaru de novo. E eles ficam juntos no final!
Contei quase tudo mesmo, devo ter deixado um ou outro detalhe passar.
Para quem gosta de um bom yaoi, super recomendo Ikoku Irokoi Romantan. Tem só dois episódios, é bem rápido de ver.
Alberto x Ranmaru mora no meu coração! (Sim, eu amo semes loiros!)

Resenha #10: Quando o coração escolhe

sábado, 28 de março de 2015

Já tinha um tempo que eu não trazia resenha aqui no blog. (Agora eu chamo disso né?)
Eu ainda estou terminando o livro do Ai no Kusabi, mas a faculdade já tá me ocupando para eu poder terminar.
Vou falar sobre um livro que eu li tem um bom tempo já! Sim, ele é um romance espírita. A única coisa que li relacionado a isso foram Violetas na Janela, que eu li apenas uns capítulos.
Segue a sinopse e eu falo depois.

Sinopse: Quando o amor fala mais alto dentro do seu peito, você seria capaz de largar tudo em nome desse amor? Ela foi capaz e mostrou a todos que quando o coração escolhe, o medo, a omissão, as diferenças, os preconceitos podem ser vencidos, se ouvirem sua voz interior, pois sempre somos mais fortes do que pensamos.

Quando o coração escolhe conta a história que se passa em várias gerações da família Guiarone. Na verdade, uns dois capítulos do livro são meio desnecessários, eu pelo menos achei. Porque realmente a parte da história que passa a importar são quando chegamos aos netos de Felipo, que o patriarca da família. Os netos são: Fabrício, Ettore e Sofia.
Quando eles são crianças que a começa a acontecer alguma coisa.
Por muitas vezes, o livro se parece com uma novela, porque ele é bem arrastado e lento.
E parte espírita do livro? Afinal, é um livro do gênero. Sinceramente, achei esta parte do livro bem fraca. É apenas o Fabrício que tem clarividência, ou seja, ele enxerga espíritos e isso só aparece mesmo lá pro final do livro já. Antes só tem uma passagem de quando ele ainda é criança onde ele vê um vulto e só!
Fora isso, o livro trata de muitas coisas interessantes e de uma maneira ótima, como o preconceito e a homossexualidade. No caso, seriam a Sofia, que se casa com um negro. E Ettore, que vira padre, mas sempre teve atração por seu amigo de infância.
Falando melhor da parte do Fabrício...
Quando eles são crianças, brincavam com um dos filhos dos empregados, com quem Ettore acabou mostrando sua opção um pouco. Mas o avó achando que fosse o neto do empregado, demitiu-os e ficou por isso mesmo, eles saíram da fazenda e se mudaram para um lugar bem distante.
Passados muitos anos, Fabrício caiu do trem e foi justamente ajudado por esse criança, Ícaro, que agora cresceu. Ícaro mora sozinho, mas o outro acaba vendo os outros membros e já falecidos da família.
O grande problema da família mesmo era o Felipo Guiarone. Ele era bem carrancudo e autoritário, pois lhe foi ensinado assim. Cheio de preconceitos e tudo o mais.
Ele mandava na fazenda, na cidade (sendo prefeito algumas vezes) e na vida de todos membros de sua família. Maioria dos membros da família não fizeram o que queriam para não contrariá-lo, Sofia é uma exceção disso. Mas a garota foi mesmo excomungada da família.
No final do livro, Felipo morreu, mas entendendo que algumas coisas cabem mesmo ao coração decidir. Ele aceita tudo o que antes via como ruim e vai em paz.
O livro não é ruim, foi uma ótima leitura e eu gostei bastante de alguns pontos dele. Quem sabe não leia de novo. haha

Pessoas que me inspiram: Thalita Rebouças

terça-feira, 24 de março de 2015

E voltando com a "seçãozinha" daqui do blog. haha
Decidi falar sobre outra escritora: Thalita Rebouças.
E por que motivos ela me inspira?
A história dela não é tão inspiradora quanto de outros autores que tem por aí.
O primeiro livro dela, Traição entre amigas, foi um livro encomendado por uma editora pequena. E para conseguir chamar atenção das pessoas, porque ela ficou minutos sentada na bienal e ninguém falava com ela, já que ela era desconhecida, começou a fazer umas graças. Ela fazia polichinelos e falava com as pessoas. Estava realmente vendendo o peixe dela!
Com isso ela conseguiu vender razoavelmente. O sucesso dela foi vindo com os anos mesmo, escrevendo bons livros e tendo um ótimo humor.
E são estas as duas coisas delas que inspiram. Ela é uma pessoa simpaticíssima (olha esse superlativo, Anelise) e os seus livros, pelos menos os que li, são um delícia de se ler.
Eu já perdi as contas de quantas risadas eu já dei lendo os livros dela e também assistindo as entrevistas.
É o tipo de autora que eu sou e quero ser ainda mais. Completamente louca e risonha, que fala de tudo com enorme entusiasmo e bom humor.
Por que outra coisa que escritor tem que ser é uma pessoa legal, que as pessoas gostem e que façam de tudo para poder vê-lo por apenas uns segundos.
Imagina você escrever livros excelentes, mas ser o maior (desculpa o termo) filho da puta do mundo! Assim não há quem compre o seu livro né? Vai pegar teu autógrafo e tá lá você com cara de bunda. Não! Não é legal!
E isso é outra coisa legal dela: Ela distribui bastantes autógrafos. O pessoal diz o dela é um dos mais fáceis de pegar. Tenho até um amigo que brinca que ela é "rodada".
Mas eu acho que esse "fácil" dela é uma coisa boa, porque isso mostra que ela tem bastante contato com os leitores.
Thalita, sua linda!

Os sete primeiros

sábado, 21 de março de 2015

(Os trabalhos da faculdade deixaram o blog sem post no início da semana. Agradeçam aos fichamentos!)
Eu posso falar deles sempre a torto e a direita, inclusive, o tempo todo. Porém nunca é o suficiente!
E acho que eu nunca cheguei a falar muito sobre as primeiras sete histórias. Ou como eu chamo: Os 7 mais! haha
São justamente as que eu nunca publiquei na íntegra na internet.
São aquelas que a jovem Anelise passava os seus dias escrevendo e sem realmente muito compromisso. Escrevia quando tinha vontade e somente porque queria me satisfazer.
Deve ser por isso que muitas delas ainda estão pela metade. Porque essa vida de autora que publica online, blogueira e etc não é fácil. Seu tempo hábil é tomado por muitas outras coisas.
Mas assim como todas as coisas que eu escrevo, eu os amo! Eles ainda são meio isolados do conhecimento do mundo, mas quem sabe não faço isso mudar.
Se bem que eu falo um pouco deles lá no Contos Anê.
Foram justamente eles que me fizeram começar tudo e que eu consegui me desenvolver bastante como escritora. Não alcançando a perfeição, mas acho melhorando um absurdo se for fazer uma comparação.
Enfim, são os que estão citados lá no meu perfil ali do lado: As Super Agentes, Mago Belo e o mundo da magia, A Filha do Conselho, As Aventuras de Jimmy Wayn, Sayonara Days, Mutsu Ike e Super Gata.
Como vai ser um saco para vocês, eu vou falar um pouco sobre cada uma delas. No máximo, umas cinco linhas.
As Super Agentes: São três meninas, que depois são quatro e mais no futuro cinco, que bem pequenas são separadas da família e passam por árduo treinamento para se tornaram agentes. Elas salvam o mundo e coisa tal. Super clichê! (E tem aquela de que eu brincava disso e tal.)
Mago Belo e o mundo da magia: É a história de Dimitri, que em um belo dia de tempestade é atingido por um raio e para em uma dimensão mágica. Por lá ele descobre ser um mago e também um grande elemental, que tem uma missão a cumprir e salvar aquele mundo. (Também brincava disso. E obrigada, Sabrí!)
A Filha do Conselho: Em um reino monárquico acontece uma rebelião e um conselho entra no poder.
Famílias foram separadas, fugiram ou foram dizimadas. Este é o caso de Caterine, que foi adotada pelo conselho. Anos se passam e ela trabalha para o conselho, porém existe um grupo que quer tirar este conselho do poder. (Essa eu acabei.)
As Aventuras de Jimmy Wayn: Este aqui é uma série! Jimmy é um estudante do ensino médio e conta o que acontece na vida dele de uma forma bem descontraída. (Homenagem aos meninos. E estou no terceiro já!)
Sayonara Days: Cinco amigas que estão terminando o ensino médio e decidem criar um diário para reviver as memórias do período da escola. (Como tem a homenagem aos meninos, resolvi fazer uma para as meninas também.)
Mutsu Ike: Um mundo com uma doença terrível que mata as mães dos bebês assim que eles nascem. Busca-se uma cura, porém tudo sem sucesso. Mutsu Ike é filho (adotivo) do casal que pesquisa esta cura, com ajuda da sua falecida mãe, ele vai ao mundo humano procurar a garota que tem a cura para aquele mal em seu próprio sangue. (E viva o sonho da ciborgue grávida. haha Um dia eu conto com mais detalhes.)
Super Gata: Guinevere comemora seu 16º aniversário e ganha de presente do seu pai uma gatinha branca, a quem dá o nome de Shigure. Alguns dias depois a garota toma um susto ao perceber que Shigure falou com ela. E com a fala de Shigure também vieram poderes. Guinevere se transforma na poderosa Super Gata e deve defender a cidade dos crimes e ainda esconder sua identidade. Para isso conta com a ajuda de Shigure, do melhor amigo John e dos dois novatos do colégio: Kyohei de Gabriela.
E estes são eles! Gostaram? Eu acabei postando os primeiros capítulos de todos eles aqui.
Eu ainda me pego pensando em como tudo isso pode ter saído da minha cabeça! haha
Caso queiram eu decido se faço alguns posts especialmente para um deles.
 

Top 5 #2: Melhores álbuns de 2014

sexta-feira, 13 de março de 2015


Então, pessoal, prontos para mais um TOP 5?
E dessa vez vou falar de outra coisa que também gosto muito: música.
Sei que estamos em Março já, mas acho esse post válido ao ser feito. Até porque teve muita coisa boa ano passado! E sim, será com J-music, porque é a única coisa que eu escuto com gosto.
E vocês deram muita sorte porque em 2014 a Minorin não lançou álbum inédito no ano passado. Caso contrário, o primeiro lugar seria óbvio. haha
Já deve ter dado para perceber, eu sei que espiaram ai em baixo, que tem posições com dois. Mas isso já é normal por aqui, porque eu deixei vocês devidamente avisados que isso iria acontecer muito.
Sem mais delongas, bora começar!

5- VESSEL - Suzumura Kenichi / PRISM - Terashima Takuma
E já começamos bem! haha
E é um milagre eu citando homens aqui. Eu escuto alguns seiyuus masculinos sim.
E esses álbuns merecem destaque sim! Estão juntos justamente por terem o mesmo estilo praticamente.
Se fosse recomendar uma música deles seria: SHIPS e SCARLET SIGN. 

4- Tick - Minako Kotobuki / Couleur - Hikasa Yoko
Mesma coisa do outro, só estão juntos por seguirem o mesmo estilo.
O estilo da Minako me agrada mais, pessoalmente falando. Mas a Hikasa Yoko arrebentou com o Couleur. Até o resenhei aqui no blog: Review Couleur.
O Tick puxa mais para o pop-rock mesmo.
Músicas que representam os álbuns: MAGNETICA e Shin Sekai System.

3- Little legacy - Asami Imai
Sem rock dessa vez! haha
Acho que quem me conhece sabe que eu amo Asami Imai. Minha Kazuko perdida no mundo! haha
Este álbum é acústico, com algumas da Asami em um novo arranjo. É uma delícia ouvir esse álbum. A voz da Asami é maravilhosa! :3
Destaque para a Little legacy, que é a música nova presente no álbum e é maravilhosa. (Procura no Youtube que tem!) E também Hasta la vista, o arranjo ficou sensacional.

2- SHOUMEI - Eri Kitamura / Vivid - Aya Hirano
Aqui é só rock também (Eita pessoa que gosta de rock seiyuu japonês. haha)
A Eri e Aya até seguem vertentes diferentes. Aya puxa mais para o pop e baladas. A Eri é quase metal. Já disse que quando quero algo mais "bate cabeça" é ela que eu puxo na playlist!
O SHOUMEI já vou visto aqui no blog, Review SHOUMEI, e ele tem uma pegada clássico + moderno, seguindo o estilo da Wagakki Band.
E a Aya é uma seiyuu que mora no meu coração. Ele já foi a minha favorita, mas acabou fazendo algumas coisas que declinaram a carreira dela, mas ela já voltou. Não com toda força, mas pelo menos não ficou esquecida.
Se fosse escolher uma música de cada seriam: \m/ e Logic Girl.


1- SUPERNAL LIBERTY - Nana Mizuki
Olha como eu sou legal. Pelo menos escolhi só um para o primeiro lugar! (Já falei dele também: Review SUPERNAL LIBERTY.)
Esse com certeza foi um álbum muito esperado no ano passado e por todos os fãs da Nana, isso me incluí. E ele veio para mostrar a potência e o poder que uma seiyuu como a Nana pode ter. Cara, esse álbum ficou em 1º lugar na Oricon! (Aka maior top de vendas do Japão) Essa maravilha vendeu tipo uma 90 mil cópias em uma semana, uma marca estratosférica para uma seiyuu.
Com todas a música escritas pela própria Nana, essa álbum apresenta a composição perfeita. Só dou o play e deixo rolar mesmo!
Difícil destacar apenas uma música dele, eu diria as minhas favoritas: GUILTY e ladyspiker. (Anelise com favoritas. Pa-ra tu-do!)

Bem, pessoal! Este foi mais um Top 5. Espero que tenham gostado!
Se bem que música é um dos assuntos que menos chama a atenção de vocês por aqui. (Isso é fato!)
Até a próxima!

Mulheres

terça-feira, 10 de março de 2015

(Aproveitando que dia 8 de Março passou tem pouco tempo.)

Dia 8 de Março foi o nosso dia, me incluindo nessa, o dia das mulheres! E eu como a feminista que sou, tive que vir aqui fazer um texto em homenagem. haha
Não só para as personagens, mas também as mulheres de verdade.
Olha, não existe ser que aguente mais críticas do que a mulher. Qualquer coisa que fazemos ou deixamos de fazer já é motivo suficiente para soltarem uma abobrinha.
Acho que nós, que somos as próprias, sabemos como é. Falam da roupa, do cabelo, das nossas atitudes.
Mas acho que isso seja realmente um mal da nossa sociedade: Julgar... E sem saber os motivos!
E não, definitivamente, as mulheres não são frágeis.
Ter que aguentar críticas de todos os lados, andam de salto alto, a dor do parto. Podia ficar aqui listando e listando mais coisas.
As mulheres são tão capazes de fazer as coisas quanto os homens são. Basta ela apenas querer fazer isso!
Ela pode brandir uma espada; segurar uma arma; dar uma surra; etc, etc...
Mulheres também são seres humanos, com vontades e inteligência.
É uma pena que elas ainda sejam tratadas como inferiores em algumas culturas e que as desigualdades entre os sexos ainda existam.
Mas uma coisa que mulher sabe fazer é aguentar o tranco e lutar por seu espaço e para que essa igualdade finalmente chegue.
Parabéns, mulheres, por serem apenas vocês mesmas!

Complementando com trecho meu:
"Esse texto é uma representação para mostrar que não importa que tipo de mulher você seja, seja você mesma! Não duvide de sua capacidade para fazer algo, somos tão capazes quanto os homens. Acredite! 
Também podemos ser a musa ou a inspiração de alguém. Até de si próprias. 
Enfim, feliz dia da mulher a todas nós! Somos lindas e divas!"

(Reunião das mulheres de Anelândia)

Deixando para vocês o meu programa de rádio, Banheiro Feminino, que eu faço com as amigas da faculdade. Nesta edição falamos sobre Dia Internacional da Mulher e mais uns outros assuntos relacionados ao feminismo e as mulheres. Confiram!

Tag: Eu e música

sexta-feira, 6 de março de 2015

Olá, pessoal!
Mais uma tag para vocês! Essa achei bem legal e que tem tudo a ver com a minha pessoa.
Achei quando realmente buscava tags para fazer. haha
Bora lá então.

Regras:
1º Nome do Blog que desafiou: Annyeong dramas (Onde vi a tag)
2º Responde a todas as perguntas
3º Colocar a Imagem do desafio
4º Avisar o Blog do desafio
5º Não enviar de volta o desafio
6º Passar o Desafiou no máximo a 15 blogs
Desafio Criado por: Anju Chan
 
Perguntas:
1. Gostas de ouvir música?
Claro que sim! :3

2. Sabes explicar o porquê de gostares de música?
Acho que a música acaba fazendo uma ligação com a gente, uma coisa que vai muito além da língua em que ela é cantada. É uma coisa do seu ritmo e também de momento.

3. Costumas utilizar a música como fonte de inspiração para alguma coisa?
Claro que sim! É sempre bom escrever com um background. A música também torna os serviços domésticos bem mais divertidos!
 

4. Que tipo de música gostas?
J-music, sendo mais específica, Seiyuu-music. haha
Também gosto de algumas coisas que são fora disso, algumas coreanas, algumas americanas, outros.
 

5. Ouves música com que frequência?
All the day! All the time!

6. Qual ou quais as tuas musicas favoritas?
Eita, essa é dificil! Poderia aqui ficar muitas horas citando inúmeras. Essa coisa de favorito não rola bem comigo não!

7. Costumas falar dos teus gostos musicais aos teus amigos?
Falo sim, mas geralmente acabo ficando meio deslocada mesmo.
 

8. Conheces alguma banda coreana ou japonesa? Se sim, refere-as.
Sim. Scandal, Wagakki Band, Crustacea, CMB, SNSD, 2NE1, outros.
 

9. Qual é a tua banda favorita?
Entre Scandal e Wagakki. Gosto das duas!

10. Qual ou quais os teus bias das bandas que mais gostas e ouves?
Para quem não sabe, bias quer dizer "preferido (a)". Só para esclarecer. (Até brinquei com isso em um nome de capítulo.)
Mas a minha bias, sem dúvidas, é a Minori Chihara ou como a chamo: Minorin.

11. Já assististe algum concerto (ao vivo) de alguma banda que referiste em cima?
Vi algumas apresentações soltas apenas.

12. Se a resposta for não, gostarias de assistir? Se sim, qual ou quais bandas?
Vontade de assistir shows completos não me faltam. Ainda mais que tô secando um que saiu do Wagakki recentemente.
Já da Minorin, assisti alguns! haha

13. De todas as bandas que conheces quais são as que recomendas?
Recomendo todas que eu citei! =D

Essa foi a tag!
Eu não vou indicar ninguém não. Até indicaria, mas não gosto de ser chata a esse ponto.
Fica a critério de vocês fazer ou não.
Beijos!

Samurai High School

terça-feira, 3 de março de 2015

Mais uma postagem sobre um dorama aqui no blog. E mais um japonês! haha
Estou numa fase quero dar muitas risadas com os doramas.
E hoje falarei sobre Samurai High School.
O dorama conta a história de Mochizuki Kotaro, um adolescente de 17 anos e estudante do 3º ano do secundário (ensino médio). Kotaro é aquele tipo de aluno que não nem ai para os estudos, só quer saber da zoeira. haha (Japoneses são zoeiros, não adianta tentar me convencer do contrário.)
E um mais um desses casos de apatia dele, acaba recebendo um castigo e tem escrever sobre um personagem histórico. Ele vai a uma biblioteca antiga e encontra por lá uma mulher que lhe dá um livro que conta a história de uma samurai do período Sengoku, cerca de 400 anos antes. O tal samurai tinha o mesmo nome e idade de Kotaro quando morreu na guerra.
Ele acaba por ler toda a história e volta para casa. Comenta com a pai sobre e fica por isso mesmo.
Até que, um tempo depois, acho que no dia seguinte, sua melhor amiga desde a infância, Nagasawa Ai, avisa que um de seus colegas de classe, Nakamura Tsuyoshi, esta com problemas.
Obviamente, os dois correm para ajudá-lo, pois o pobre está sofrendo bullying de um delinquentes. Kotaro é um belo do fujão e teria corrido, mas o tal samurai se apossa do corpo dele e luta com os delinquentes. (E dá um show apenas com uma régua.)
E assim começam uma série de situações em que samurai toma o corpo do garoto para ajudá-lo e também mudar o modo de Kotaro ver o mundo.
O desenvolver da história é muito divertido e rende muitas de cenas de passar mal de rir. E também como todo bom drama japonês, tem aquelas cenas que dão uma moral. Cenas com aquelas falas para você pensar mesmo.
E o final? É ótimo!
Com certeza um dorama super recomendado para se divertir e aprender mais sobre o Japão.
Destaque para o Tema da série, que dá um gás em qualquer pessoa. Dá vontade de pegar uma katana e fica treinando. haha (Podem ouvi-la aqui.)