Tag: Conhecendo melhor

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Mais uma tag aleatória para o blog. Porque sim, eu gosto de responder tags. =3
Mais uma daquelas coisas bem básico, só respondendo.
O bom é que o final você vão me conhecer um pouco mais.

1. Nome completo.
Anelise Torres Vaz. Isso tem no perfil no blog!

2. Onde você mora? 
Rio de Janeiro. Sou carioca da gema mesmo! (E banguense ainda.)

3. Estado civil/tem filho?
Eu sei que "namorando" não é estado civil, então solteira. Não, ainda não tenho filhos.

4. Sua comida favorita?
Strogonoff (tanto faz de carne ou frango). Tem também Carré com tutu.

5. Comida que você não gosta?
Calvo verde e qualquer doce que tenha banana no meio.

6. Qual sua bebida favorita? 
Suco de fruta. Pode ser maracujá, uva, manga, morango.

7. Bebida que você não gosta?
Bebida alcoólica. Eu tomo champanhe fazendo careta e nunca tive coragem de tomar vinho.

8. O que você menos gosta em você?
Questão de corpo né? Acho que a minha barriga, sei lá, ela é meio bizonha. (Eu já falei sobre ela em outra tag.)

9 . Qual seu pior defeito?
Ser muito impaciente. Sinceramente, eu não tenho pavio.

10. O que é importante para você em uma pessoa?
A personalidade. Eu gosto de pessoas que tem bom caráter.

11. Qual tipo de filme você mais gosta?
Nesse quesito sou meio menininha, gosto de romance. Pode ser adolescente ou mais adulto.
Aprendi a gostar de ação por causa do meu namorado!

12. Qual sua estação do ano preferida?
Primavera. Eu faço aniversário na primavera e adoro flores. :3

13. Quantos irmãos você tem?
Eu tenho só um irmão mais novo que é uns quatro anos mais novo.

14. Qual esporte você pratica?
Escrever pode ser considerado esporte? Senão, nenhum!

15. Qual seu time? 
BRASIL! (Pessoa que só acompanha torneios internacionais e bem esporadicamente.)

16. Doce ou salgado?
Depende. Se for pipoca, tem que ser salgada. Se for bolo, doce.

17. Qual animal você mais gosta e qual menos gosta?
Gosto de gatos (mesmo não tendo um) e cachorros. Não gosto de baratas, ainda mais quando voa. haha

18. Que tipo de música você mais gosta e qual menos gosta? 
Obviamente, gosto de J-music. Dá para notar. O que eu menos gosto é funk. (Os mais antigos e "Beijinho no ombro" passam para mim.)

19. Qual sua cor preferida?
Vermelho! Always.

20. Uma frase.
Acredito que fazer o que todos fazem é chato! (Essa frase me define tanto!)
 

Um ser a par da sociedade

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Eu sempre fico observando o que as outras pessoas fazem, e também noto que eu tenho hábitos completamente diferentes destes.
Não gosto de festas, de beber, de conversar com qualquer um. Eu sou bem fechada e bem na minha. Eu troco qualquer festa ou evento social para ficar em casa.
Eu olho essas outras pessoas e até me sinto um pouco estranha, me sinto como se fosse alguém extraterrestre ou só talvez alguém a par da sociedade.
Alguém tem outras preferências e outros gostos que diferem totalmente do que pode ser considerado normal.
Quem vê de fora pode até pensar um monte de coisas, mas o que importa que é eu sou eu e sou feliz com isso. Mesmo que não seja alguém considerado "normal", sou eu mesma. 


Dicas para escrever: Personagens, Narração e Descrição

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Pois é, eu gostei tanto de ter feito o anterior e também elogiaram, que eu resolvi continuar com o "Dicas para escrever". Quem quiser ler o anterior só clicar aqui.
Vamos continuar daquele meu jeito, como já sabem né.
E eu já escolhi os três tópicos de hoje. São eles: Personagens, Narração e Descrição.
São aspectos que eu também considero importantes. Alias, tudo é importante quando se vai escrever.

Personagens

Pois é, são eles que vão viver a história que nós imaginamos.
E eles também uma divisão dentro de seu próprio grupo, vamos a elas:
Protagonista: Personagem principal da história, a história gira em torno dele.
Antagonista: Personagem que vai contra as ideias do protagonista. (Não é, necessariamente, o vilão.)
Secundário: Personagem de uma importância menor, mas que tem o seu lugar na história. (Pode ser algum amigo do protagonista, um parente dele, etc.)
Apoio: Personagem que só aparece em alguma cena, ele não chega a fazer parte do núcleo principal da história. Pode ou não ser importante para o desenrolar da mesma. (Aquele cara que vende a poção para a Julieta em "Romeu e Julieta" é um exemplo.)
A coisa que você mais precisa se preocupar em relação aos personagens é o seu grau de importância na história. O que ele vai ou não fazer? Qual é o passado dele? Os princípios dele? Entre muitas outras coisas.
Eu sei que tem gente que troca todas essas prioridades e as joga em cima do nome e da aparência. Vai mesmo fazer alguma diferença você ficar se preocupando em definir nome ou aparência de personagem? Isso realmente vai acrescentar algo no enredo? (Há casos e casos, né.)
Se tem dificuldade em escolher nomes para os amados personagens, não se preocupe! Nada que um pequeno gerador de nomes aleatórios não resolva.

Narração

Aqui que nós caímos no básico para começar a escrever mesmo. Hora de botar o enredo e os personagens para funcionar.
Todos, obviamente, já devem aprendido na escola, mas darei a definição de narração mesmo assim. Narração é a contagem de fatos. Todos eles localizados em um determinado tempo, espaço e com personagens. Basicamente, é isso!
Esse estilo está embutido em nossas vidas, usamos bem naturalmente. O simples fato de você contar o que te aconteceu em determinado dia a alguém já é uma narração.
Mas o que isso tem a ver com a história, Anelise?
Simples! Quem narra a história? Isso mesmo: o narrador!
Ele é de muita importância para que a história seja contada da forma que ela deve ser.
Existe dois tipos de narrador: Narrador-personagem, em 1º pessoa; e Narrador-observador, em 3º pessoa.
E se deve escolher um desses dois. Calma vou explicar! (Mesmo que os nomes sejam autoexplicativos.)
Narrador-personagem é um personagem da história que conta os fatos de acordo com a sua visão. Este estilo é muito usado em muitos livros que estão fazendo sucesso atualmente, justamente porque é o modo que mais consegue aproximar o leitor. Parece que ele está sentado conversando com você.
Esse modo de narração fica meio limitado, pois não se tem uma visão geral de tudo, os outros personagens e o que os mesmos pensam. Isso pode ser suprido usando mais de um personagem para narrar. (Mas sem aquele negócio de POV, gente. Isso é chato.)
Narrador-observador é aquele que conta os fatos de um ponto de vista imparcial e geral. Caso esse narrador também seja onisciente, ele também é capaz de ler os pensamentos e saber os sentimentos dos personagens, é como se ele fosse uma espécie de Deus.
Este tipo de narração é ótimo quando você tem vários núcleos na história. Quando se quer mostrar lado do bem e do mal, por exemplo. É um estilo que eu opto escolher quando a história é mais complexa.
Também é um modo mais sério de narrar, onde você vai só contando os fatos em ordem cronológica. Mas quem disse que necessariamente precisar ser assim? Licença poética tá ai, dá para brincar também.

Descrição

E lá vamos nós para outro tipo de escrita.
Diferente da narração, a descrição não apresenta ordem cronológica. Parece que apertamos um pause quando fazemos isso!
Podemos descrever os cenários, as roupas dos personagens, as armas deles.
Ela deve ser usada com moderação, porque senão a leitura fica cansativa e em alguns casos até chata.
Eu já ouvi dizer que o J.R.R. Tolkien era altamente descritivo. Até um feixe de luz entrando pela janela ele colocava. Mas ele é um dos melhores escritores que já existiu. Eu admiro ele! (Cara, ele criou uma língua para a história dele, o élfico. Vai dizer que ele não é foda?)
Mas por que fica chato, Anelise?
Assistindo um filme apertando o pause o tempo todo, para poder ver cada detalhezinho. Toda vez que se descreve algo é como se isso acontecesse. 
Você é o autor e tem o controle na mão, ele é capaz de mexer no filme, que é a sua história. Imagine você querendo ver um filme e fica um (só falando assim) filho da puta parando ele toda santa hora? E ele fica te falando em como as cores das paredes estão bem contrastadas com as das cortinas. Você vai ter paciência para isso?
Não estou dizendo para abolir qualquer tipo de descrição. Pode-se usar, mas não de maneira exagerada. Deixe a imaginação do seu leitor um pouco mais livre para ele poder imaginar a história do jeito que ele quiser, com os cenários que ele quiser. Quando mais você descreve, mais você limita a imaginação do seu leitor.
Vou dar um exemplo de descrição:
"Observava o céu noturno, com todas aquelas estrelas brilhando, vermelhas e azuis. A minha volta tinham muitas pessoas, de todos os tipos. Altos, baixos, velhos e crianças. Os prédios com algumas luzes acesas. Os carros com os faróis também acesos. O chão encontrava-se molhado, por conta da chuva que caíra a pouco."
Você viram se realmente alguma coisa aconteceu durante o trecho? Sim, ficou bem poético, mas ainda está tudo parado. É isso o que eu quis dizer com usar com moderação, senão parece que a história não acontece.

Bem, pessoal, essas foram as dicas de hoje. Espero que tenham gostado.
Qualquer coisa é só perguntar.
Lembrando que isso aqui não é para ser tomado como "Verdade absoluta", são dicas só para ajudar vocês.

Resenha #5: Velozes e Vorazes

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

E lá vou eu com mais uma review/resenha de livro. Se bem que este aqui não poder ser muito considerado "livro". É uma graphic novel.
O nome é Velozes e Vorazes. É um daqueles que eu comprei na bienal nos estandes pequenos e onde tinham mangás. (otaku aqui né, gente!)
Sem mais delongas, segue a sinopse.

Sinopse: Esta é a história de Thut e Jihan, que disputam as atenções de Shina. Três jovens que formam uma triângulo amoroso, vivendo em um mundo num período muito remoto, quando os dragões dominavam os céus na Terra. Quando eram domados e treinados para competir em corridas clandestinas e extremamente audaciosas. Verdadeiros rachas entre jovens destemidos e apaixonados, durante a alvorada de um planeta selvagem.

A primeira coisa a falar desta leitura é que ela foi bem rápida. Levei uns dois, sendo que eu só leio de noite, por preferência mesmo. Para mim, tamanho não é documento, nem com pessoas e muito menos com "livros", mangás, seja lá o que for.
Ele realmente segue o que está escrito abaixo do título: Romance de fantasia no ritmo mangá jovem. Uma leitura leve e fluida, com capítulos curtos, do jeito que eu gosto.
A história se passa em Atlântida, em uma época bem remota da Terra. Um misto de tecnologia e de medieval (vide as roupas dos personagens).
Os dragões vivem entre eles e por conta disso existem as corridas de dragões. Algumas coisas do passado fizeram as corridas serem suspensas por alguns anos, mas depois voltou apenas com um circuito oficial. Mas, claro, existem as corridas e torneios clandestinos. As corridas são sempre muito perigosas e disputadas. Ocorrem muitos sacrifícios, seja de homens ou dragões.
Tudo começa em mais uma destas, a última do campeonato, onde a corredora Shina perde no último segundo para Johan. A garota fica meio com raiva, mas tentará no ano seguinte. Nosso protagonista, Thut, e seu amigo, Jihan, também estavam nesta corrida, mas ficaram para trás.
Na temporada seguinte, Shina faz uma aposta, quem ganhar a corrida tem o direito de ficar com ela até o próximo vencedor aparecer. Assim, os amigos acabam brigados. E tem um terceiro corredor nesta aposta também.
Thut tem agora uma dragoa, que veio até ele por vontade própria (Por que ela me lembra a dragoa da Destemida?) e confia em seus instintos na hora da corrida. Ele também tem uma única fã, Réa, que sempre está lá torcendo por ele.
E a história se desenrola no decorrer do torneio, entre os triângulos amorosos. Adrelina das corridas e o romance voraz.
O final da história foi bem acima do que eu esperava e realmente teve um quê de mangá e de anime. Eu nem curto né?
Existem alguns desenhos dentro desta Graphic Novel, elas tem um jeito de mangá mesmo e até um bocado rascunhado, mas são fotos legais. Só acho que elas ficaram meio desconexas com o texto.
Enfim, pode até ser curto, com 63 páginas, mas ainda assim é uma boa leitura. Eu me diverti bastante lendo e vou guardar uma frase para usar para sempre: Você tem culhões!

Ane-chan's Shizen? - Nova versão!

quinta-feira, 4 de setembro de 2014
Acho que já tava de hora de trocar o visual daqui. E foi isso o que eu fiz!
Então, gostaram?
Até que eu gosto da versão antiga que estava aqui no blog, mas ela completou um ano já. Tava na hora de trocar mesmo. Além do mais, tinha muito rosa para o meu gosto.
Essa versão combina mais comigo! Tem mais vermelho.
Eu não tenho muito dotes com o photoshop ou com html. Eu me esforcei para o layout ficar legal. E amei do resultado!
Agora temos categorias bonitinhas no blog também, ele tava muito bagunçado. Eu separei algumas tags, de acordo com o que mais eu posto. São elas!



Também fiz um perfil decente para vocês saberem um bocado mais sobre mim!
Sempre bom dar uma repaginada e renovar os ares.
As postagens continuarão do mesmo jeito que sempre foram! =D
Agora eu tenho até assinatura! haha
Beijos!