Resenha #1: Era uma vez minha primeira vez

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

(Olha eu feia na foto hahahha)
Eu quase nunca faço reviews de livros, não me acho que coisa grande para isso, porém uma de vez em quando não faz mal a ninguém.
E será sobre um livro que eu estava querendo desde a bienal de 2011, quando ele foi lançado. Só fui comprá-lo na bienal do ano passado.
Podem até dizer que sou velha para ler Thalita Rebouças, porque ela escreve para adolescentes e bla bla. Problema! Gosto dela!
Vou colocar a sinopse do livro e vou falar o que achei.

Sinopse: Coração acelerado, pernas bambas, arrepio na nuca e um friozinho na barriga. Medo? Sim. E também excitação, sonhos, dúvidas, inseguranças e todas as "noias" que as meninas sentem diante da tão esperada e, por que não, idealizada, primeira experiência sexual. São essas angústias e alegrias, contadas de forma leve e bem-humorada, que Thalita Rebouças apresenta em "Era uma vez minha primeira vez", a escritora usa toda a sua sensibilidade e bom humor para falar de um tema que ainda gera muita ansiedade e polêmica entre as garotas. Na linguagem típica das adolescentes, a experiente autora no universo teen conta como seis amigas inseparáveis - Teresa, Clara, Tuca, Fernanda, Patty e Joana -, todas entre 15 e 19 anos, enfrentam o antes, o durante e o depois de um dos momentos mais importantes na vida das mulheres. Mas não espere um manual com dicas sobre sexo, virgindade, gravidez e temas afins. O livro reflete as emoções, os sentimentos, medos e anseios das personagens em diversas situações com as quais as leitoras de Thalita certamente irão se identificar.


O livro é bem aquilo da Thalita Rebouças mesmo. São contos pequenos, mas muito divertido. Como só ela sabe fazer.
Tem muitos momentos em que pego dando risadas das coisas que as personagens.
Eu achei que esse livro fosse detalhar mais as partes importantes de acordo com o tema dele, mas não foi. Só que isso não foi ruim. Falou-se de coisas que mulheres tem e muito: Sentimentos.
E também toda a pressão que sofremos acerca da primeira vez.
Cada personagem encara e quer essa experiência de um jeito diferente. Uma quer muito, para a outra tanto faz, a outra nem pensar. Assim como acontece na vida.
As personagens são muito divertidas e te fazem mergulhar nas histórias delas. Isso para mim é um ponto a favor para o livro!
É um livro excelente e divertido que trata a perda da virgindade de naneira natural e bem humorada.

Anelise Vaz

Lembranças

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Chega aquele dia de arrumar a bagunça do quarto...
Limpar as prateleiras. Arrumar as gavetas. Organizar o que está bagunçado.
E vai finalmente para o armário e começa a "cavá-lo" e desenterra coisas muito antigas, que há anos estão no fundo daquele lugar.
Aqueles objetos carregam uma energia antiga, de quando foram colocados alí. E todos eles te trazem lembranças.
Encontra aquele diário velho, ou aquele seu caderno da quinta série. Começa a folhear e vai vendo o que está rabiscado ali.
As risadas vem e vão...
Você lembra de como aquele tempo era bom, e como é bom lembrar dele também.
Bate a saudade! Bate a nostalgia!
Um sorriso e um suspiro no final da leitura. Um pensamento: Céus, eu não era assim, era? Parece outra pessoa.
E então percebe que o tempo passa rápido, as pessoas mudam e as lembranças que ficam!

Ser escritora não é fácil!

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014



Escrever não é uma coisa fácil. Se realmente fosse todo mundo faria!
Pensando de um modo grosseiro muita gente escreve, mas não escreve. Ela sabe realizar o ato de pegar a caneta e desenhar no papel, porém as suas palavras são vazias. Em outros casos, os desenhos das palavras tomam uma vida inimaginável!
Quem vê de fora até achar fácil, mas é realmente complicado passar o que está na cabeça para o papel, com a mesma sincronia e perfeição na qual se imagina.
Não é fácil dar vida as palavras. Não é fácil ser escritor!
Viver com uma grande confusão de pensamentos e ideias e personagens. Em ritmo constante!
Você mesmo se cobra e sempre há aqueles momentos em que não se acha capaz. Não se sente satisfeito com o escreveu.
Mas tem dessas coisas mesmo.
O que realmente vale a pena é ver que de alguma forma é possível expressar o que está se passando lá dentro, exteriorizar isso para que outros possam entender-te e partilhar deste seu sentimento, deste seu mundo.
Não é fácil, mas é ao mesmo tempo gratificante!

Filosofia de ano novo

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014
Pois é, mais um ano acabou de chegar.
E as pessoas ficam com aquela filosofia de que este será melhor que o anterior assim como ele supostamente deveria ter sido ao seu antecessor.
É um eterno ciclo de otimismo e, de certa forma, comodismo também.
É cômodo e normal ter este pensamento no ano novo, porém o que se poderia ver mesmo (uma mudança de atitude, por exemplo) não acontece.
Todos querem que tudo aconteça como mágica.  Mas só magos fazem mágica!
Você por acaso é um? Provavelmente não!
Se trocar de filosofia, de pensamentos e atitudes, quem sabe você não reverta esse quadro e essa repetição eterna "de que está tudo uma merda, mas a renovação do ano vai me trazer coisas boas".
É um eterno ciclo vicioso! Só nós mesmos podemos reverter a situação, com mudanças.
E quem sabe no mais tardar poder dizer: Obrigado (a) 2014, por ser este ano maravilhoso! Sentirei saudades.

Review NEO FANTASIA

sábado, 4 de janeiro de 2014

E lá vou eu de novo fazer mais uma review de álbum e ainda mais dela, a minha diva: Minori Chihara.
No final do ano passado, ela nos trouxe este álbum maravilhoso que eu não consigo parar de ouvir. (risos)
Vou fazer uma review dele daquele meu jeitinho que vocês já conhecem, listando as tracks e comentando sobre.

01:The immortal kingdom
A música que abre o álbum. Acho ela comprida demais para poder ser considerada uma música intro. Mas imaginem ela como aquela música que abre um musical ou um show, antes do elenco entrar, como se ela falasse: "Olá, sejam bem-vindos! Vamos nos divertir!". Ela tem um tom clássico, tipo as músicas da disney.
02:TREASURE WORLD 
Esta é a música-promo do álbum. Nem preciso dizer que eu adoro ela. É perfeita para entender a temática do álbum, como se fosse um grande show num cabaré, porque o clipe passa essa imagem e é tão divertido. Ela é uma ótima música para considerar como uma abertura de show, seja qual for. Dando boas vindas e dizendo "Show time!" de um jeito bem animado e pop.
03:SELF PRODUCER 
A primeira single-track que aparece neste álbum. Ela é totalmente rock! O clipe desta música me lembra um episódio da Sailor Moon que eu AMO, do desfile de modas. E é como se você pudesse se ver de diversas formas diferentes, considerando que só a cantora aparece no clipe.
04:TOON→GO→ROUND! 
Essa música me lembra bastante "ParADox" do álbum anterior (D-formation), realmente não pude evitar estas comparações. Ela é mais calma e tem aquelas batidas legais de pop que só a Minorin tem.
05:1st STORY
Está é totalmente um pop-rock, lembrando aqueles finalzinho do Sing All Love, aquele combo de rock. É aquela que você escuta porque a batida dela é uma delícia e a voz da Minorin é agradável. Ela tem esta cara de música de encore, quando você chama a plateia para cantar junto. (E você derruba um litro de lágrimas ao vivo!)
06:endless voyage 
Aquela música totalmente pop + batida legal que me faz lembrar de várias outras músicas que ela já fez, tipo Metamorphosing Door e Falling Heaven's now. Esta música manter o seu ar lento, com um leves toques de guitarra que fazem você querer dançar.
07:真白き城の物語 (Masshiroki shiro no monogatari) 
Está música respeita a regra da música com nome grande que eu já falei das outras vezes. Ela é bem lentinha e pop, me lembra um pouco "Select?". Dá para se escutar para relaxar. Ela realmente tem umas batidas que me lembram o tom de pop que o Sing All Love tem e este álbum traz de novo.
08:Celestial Diva
Mais um single track. Essa é daquelas músicas que marcam! Ela tem uma excelente presença do violino em todo o seu conjunto, além do belíssimo vocal da Minorin. Não tem como não se empolgar e acabar cantando também.
09:Lonely Doll
Esta música começa com uma caixinha de música tocando. É daquelas músicas bem tranquilas de se ouvir. Parece que foi a Minorin que a compôs usando seu violão (pois é, ela toca). Além de me lembrar bastante as músicas que ela canta com Nagato Yuki. Eu consigo imaginar a história de uma boneca como um clipe quando escuto essa música.
10:この世界は僕らを待っていた (Kono sekai wa bokura o mateita)
Esta música é agitada, diria que até um pouco summer song, não algo como Freedom Dreamer é. E me lembra praia e calor! Deve ser porque no clipe é assim. Aquele pop com violino que o a Minorin faz.
11:ZONE//ALONE
Eu sou apaixonada por essa música. É este o estilo dela que mais gosto... Quando ela faz essas aberturas de anime com esses super solos de violino e diva no clipe e também ao vivo. Eu não diria que é rock e nem pop. Eu não sei o que é isso. "It's Japanese music!", é só o que sei. (Ela e TERMINATED fazem a dupla PERFEITA.)
12:境界の彼方 (Kyoukai no Kanata) 
Esta música é legal, até gosto, mas acho que devo estar ouvindo ela demais e estou enjoando. Ou é por que o anime ficou muito famoso e eu tomei raiva da Kyoto Animation?
É uma balada meio pop. Algo mais ou menos no estilo de Precious One, porém menos balada do que ele.
13:NEO FANTASIA
Música-título do álbum. Aquela que posso dizer que é uma música maldita, no bom sentido. Junto com TREASURE WORLD, ela foram as duas primeiras músicas do álbum que grudaram na minha cabeça.
Ela se encaixa num pop-rock, me lembrando akatsuki tsukiyo ( akatsukidukuyo ) pela presença absurda de violino. Ela tem uma batida marcante e te cativa do jeito dela, aumentando e diminuindo.
Deve ser porque eu sei que a prórpia Minorin escreveu-a e eu tendo a dar mais valor para isso. (Vide o meu amor por Ittousei.) Ela é tranquila e agitada ao mesmo tempo e na medida certa, é uma música bem clima de final de show mesmo. (Louca para aprender a cantá-la completa.)
14:Neverending Dream
E se retorna aquele clima da primeira música, um coisa mais clássica e por ser o final, bem mais calma.  Imagino a Minorin acenando quando voz dela parece. Ela tem meio que um clima de despedida, mas não significa que não nos veremos mais.
O sonho nunca termina! Ele se realiza e acabam surgindo outros sonhos. E o ciclo assim continua: Uma vida com sonhos intermináveis. Sonhos sem fim! (Olha eu explicando o título da música.)


No geral, NEO FANTASIA é um álbum apaixonante do jeito que o a minha diva Minori Chihara sabe fazer. Ele é um misto de Sing All Love e D-formation, mas ainda sim tem sua identidade.
Melhor álbum de 2013 sem dúvida!