Dia do escritor

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Parabéns para todos os escritores! Hoje é nosso dia. (Eu me incluo nisso.)
Os que estão aqui e os que já passaram e deixaram suas escritas.
Nós damos vida e sentido as palavras que escrevemos. Sejam elas poesias ou histórias!
Nós temos o dom de prender e fazer compreender nossas palavras. Por um lado somos vistos como loucos, por outro como sábios.
Não sabemos sobre tudo, mas fazermos o melhor para isso.
De vez em quando podemos nos fechar em nosso próprio mundo para dar vida a outro ou para entender o lado de fora.
Somos assim! Só nós sabemos o nosso real valor... Para nós mesmos e para os outros!

Um texto antigo...

terça-feira, 23 de julho de 2013
Texto de 2009, que eu fiz para o colégio. Apenas adaptado para prosa. O tema era Dia do livro.

Escrever é manipular as palavras e fazê-las contar um história. Triste ou alegre. Emocionante e contagiante.
História boa é aquela que te deixa na ânsia de saber o fim.
Palavras sozinhas são uma coisa. Juntas podem formar uma aventura... De nossas vidas!

Perdoem-me ter ficado sem postar. Eu viajei, mas já voltei! XD


Sobre mim! (Para o Garota Zodíaco)

domingo, 7 de julho de 2013
Fiz este texto para colocar no "About Zodiac - Saiba mais..."  do Garota Zodíaco.

Watashi wa... (Eu sou...)

Meu nome é Anelise Torres Vaz. Eu sou uma garota inteligente, legal, simpática, bonita. Também sou tímida, otimista, completamente sem pavio, estressada, nervosa e muitas outras coisas que nem sei. Nascida em 30 de novembro de 1992. Era para ser em 12 de dezembro, só que eu decidi vir mais cedo.
Quem escolheu meu nome? Eu costumo dizer que fui eu mesma. Minha mãe sonhou com a letra A, foi a dicionários de nome e procurou, procurou e nenhum ela achou. Estavam ela e meu meu pai nessa missão quase impossível. De repente, minha mãe falou “Anelise”. Procuraram novamente e não acharam. Mas, meu nome ficou esse. Só fui descobri o significado com 12/13 anos.
Eu era uma criança relativamente normal até meus cinco anos, foi quando, brincando na rede, eu cai e bati a cabeça. Nunca mais fui normal desde aquele dia. (O mundo sabe que eu não sou normal.)
Sempre tive a mente bem fértil (e atualmente, poluída), independente de pancada alguma. Eu brincava de coisas que eu inventava e por consequência disso que eu decidi começar a dar vida a isso. Com 11 anos, em 2004, peguei um caderno e escrevi o primeiro capítulo de “As Super Agentes”. Desde então, eu não parei mais. E mais oito histórias surgiram depois:
Minhas histórias são: As Super Agentes; Mago Belo e o mundo da magia; A filha do conselho; As aventuras de Jimmy Wayn; Sayonara Days; Mutsu Ike; Super Gata; Sasaki, a mulher samurai; O diário da escrava amada.
Eu já me considero uma escritora, só não sou famosa ainda. Quem não sabe em breve não tenha a minha “noite de autógrafos”?
Por gostar de escrever, não só histórias como outros textos, fiz faculdade de Letras/Literatura. Formei-me ano passado.
Já tive muitos inimigos nessa vida e eram bastantes. Porém, também tenho meus aliados. (risos)
Os mais fortes são: Mamãe, Papai, Nii-san e Amado. Meus pais são Cristina e Elias, eles passaram logo em meu primeiro desafio.
Nii-san é meu irmão mais novo: Elias. Considero-o meu melhor amigo e nós dois sozinhos em casa “falando merda” não dá certo.
Amado é meu namorado: Marcus, ou melhor, Ique. Ele é meu fã nº 1 e maior crítico. Até ajudo ele com as coisas que escreve.
Outra coisa que tenho bastante são apelidos, já que é difícil acertarem meu nome.
Eu sou otaku (ou otome) também. Lê-se: Eu sou fã de desenhos japoneses (animes). Adoro o estilo dos personagens, a história... Tudo!
Outra coisa que adoro do Japão (Alias, amo o Japão o tanto que amo o Brasil.) é a música. J-music é meu estilo musical. Não escuto outro tipo!
E todo esse amor começou em 2007, por causa do primeiro anime legendado que vi na vida: Suzumiya Haruhi no Yuutsu. Antes dele, só na televisão e dublado.
Apaixonei-me pelas músicas do anime e migrei para outras. E meu amor por esse meu “lado japonês” não para de aumentar.
Eu faço tantas coisas que nem cabe aqui nessa descrição bem grande.

Essa sou eu! Do meu jeito simples e completamente original.

Princess Hwapyung (K-movie)

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Mais uma review de filme! =) Dessa vez é o filme coreano Princess Hwapyung.
Admito que só peguei o filme para assistir porque nem tinha o que fazer e a sinopse me interessou também. Vai ser bem rápido porque o filme tem só uma hora, mas vale a pena.


O filme conta a história de uma princesa que é gorda. Desde criança, o irmão dela, que é o rei, sempre deu tudo o que ela queria, principalmente comida. Com o passar dos anos ela acabou se tornando desse jeito.
 As situações nesse início são engraçadas: Ela derruba a mesa do banquete se esticando para pegar um biscoito; Entra na banheira e sai água para todos os lados.
Todos ficam olhando para ela por ser assim, mas ela não liga, gosta de comer e é isso que importa!
Até que um dia, ela sobe na árvore para salvar um pássaro e o galho quebra. Um homem (acho que ele é nobre) a salva e quase tem os pés enterrados ao segurá-la. A princesa se apaixona por ele e acaba se casando com ele. Na primeira noite não acontece nada, ele disse que não queria aquela gorda.
Assim, ele mantem um caso com uma das "empregadas" da princesa, por quem se apaixonou.
Hwapyung acaba descobrindo esse caso e resolve se vingar! Ela decide emagrecer e ficar bonita, para quando ele a desejar poder dar "um pé na bunda dele".



Seu irmão atende a seu pedido e chama um professor/personal trainer, que realizou milagre emagrecendo mulheres. Então, começa o treinamento e tratamento. A princesa aprende etiqueta, entra em uma banheira de lama, controla a alimentação e começa a se exercitar.
No início não funcionava porque a noite escapava e "batia um pratão". Por conta disso, o professor a hipnotizou e quando ela via um doce, via vermes e não comia.
O treinamento se intensifica e dá resultado! A princesa se torna bonita, magra e saudável.
(Essa parte dela emagrecendo é engraçada. Colocaram a música do Rocky Balboa. Como eu ria! Coube como uma luva!)


Durante esse tempo, ficou longe do castelo. Ao voltar, todos se impressionam em como ela ficou e seu marido nem a reconhece. E o que ela queria acontece: Ele sente desejo por ela!
A princesa costuma conversar com o seu professor e o marido espionava. Isso mostra que ele estava com ciúme.


Mais tarde, o casal se encontra no quarto. O marido diz como ela está bonita e tudo mais. Então, ela dá um tapa nele e explica o porquê de ter feito aquilo!
Ele ainda mantém o caso com a empregada e acabam descobrindo. Os dois (empregada e marido da princesa) são presos e condenados a execução.
A princesa, apesar de tudo, ainda ama seu marido. E por consideração a ele, ajuda o outro casal a fugir. Ela deixa uma bela joia para comprarem uma casa em outro lugar. A empregada, aquela safada, não queria ficar pobre de novo e esfaqueia seu amante, debilitando-o, e foge sozinha.


Um tempo se passa e a princesa foi expulsa do castelo pelo que fez. Passou a viver em uma casa só dele e conversava bastante com o seu professor ainda. Achava que seu ex-marido estava bem e feliz! O professor lhe conta que ouviu que ele estava mal e ela se preocupou.
O marido passou a colher lenha para viver e seu braço esquerdo não se mexia mais, por causa do golpe que recebeu no ombro.
A princesa vai atrás dele e acaba rolando aquele cena que nos derrete todos. Ela disse que o amava ainda e ele se acha não-merecedor dela.
No fim das contas, ela aceita ele de volta!


Mais um tempo se passa e eles tem um filho! E passam a viver felizes!
Ele promete a ela que vai amá-la mesmo se ela ficar do jeito que era antes.
Assim acaba o filme!

É bem pequeno, simples e divertido!
Caso esteja em uma dia de tédio, dê uma hora de seu dia para assistir Princess Hwapyung. Vale a pena!
O filme pode ser baixado aqui: Dramas Épicos.